Informações Selecionadas sobre Negócios e Tecnologia

Atualmente com tanta informação disponível na internet não é fácil para nós pesquisarmos e selecionarmos com critérios o que realmente é importante para empreendedores, gestores e líderes de startups e empresas tradicionais em transformação para o digital e inovador.

Quero deixar aqui o meu convite para você cadastre-se gratuitamente no StartupRadar (http://startupradar.com.br) e ter acesso a informações em português e inglês.

Ao se autenticar, acesse no menu superior a aba [Conhecimento] e navegue via tags e busca.

Observações:

  1. não se trata de notícias ou eventos, mas sim de uma base de conhecimentos com artigos, relatórios e informações relevantes de autores e fontes confiáveis. Material essencial ao constante aperfeiçoamento profissional.
  2. Caso tenha alguma critica ou sugestão para melhoria ou indicação de artigo basta utilizar a aba [Contato] do StartupRadar.

Se gostou, por favor, compartilhe. Abraço, @neigrando

Sobre mim: aqui, Contato: aqui.

StartupRadar

Momento Mentoria Virtual

Fundadores de Startups têm visões diferentes sobre a ajuda de mentores. Enquanto alguns consideram a mentoria uma ferramenta essencial aos negócios, outro grupo se orgulha de não precisar de aconselhamento e incentivo de forma extrema. Mas mentoria de negócios se aplica também a líderes e gestores de empresas em geral.

Sabemos que bons mentores podem aumentar as chances de sucesso de uma empresa, especialmente em situações de alto risco como a que o mundo está enfrentando como resultado do surto de coronavírus. Principalmente mentores experientes, que passaram pela bolha das ponto.com ou pela crise financeira global no final dos anos 2000, podem ser inestimáveis ajudando Startups e PMEs a sobreviver a essa pandemia que abalou o mundo.

Se você tem um negócio ou é gestor de algum e não tinha um mentor, agora é uma boa hora para conseguir um, considerando que mais mentores estão disponíveis atualmente, já que tudo está se movendo on-line para que as pessoas tenham mais tempo livre.

Atualmente os empreendedores devem reequilibrar suas finanças, gerenciar suas despesas com habilidade e considerar dois cenários, um melhor e outro ruim, um onde o mercado volta ao “normal” em breve … outro que demora bem mais. Mesmo os “grandes otimistas”, precisam buscar equilíbrio conversando com alguém que é mais experiente e “realista”, contrabalançando a visão dos otimistas para tomarem decisões mais assertivas.

As Startups devem se preparar para situações em que possam perder suas receitas, com a visão de que, o que não mata, fortalece – tendo ainda em mente, que enquanto vivos, sempre haverá um amanhã. Assim, em casos estremos, se a sua Startup atual não deu certo, talvez seja a hora de analisar por que não deu certo e como pode-se fazer melhor da próxima vez, pois o maior valor que um fundador acrescenta neste caso é o aprendizado da experiência. O mesmo se aplica a PMEs.

Afinal, são apenas negócios, e negócios são como esportes e devem ser vistos dessa maneira. Se perdemos um jogo, nos preparamos para o próximo. Este tipo de mentalidade ajuda os(as) empreendedores(as) não levarem isso tão a sério.

Nesse sentido, se a empresa está bem ou mal, com um bom mentor pode ficar melhor, e se chegar a uma situação extrema como a explicada acima, com certeza um bom mentor poderá tranquilizar, mostrar que a vida continua e que o aprendizado será semente para o próximo plantio.

Aos mentores, é importante comunicar aos mentorados que vocês estão disponíveis para eles.

  • Seja intencional em preservar a continuidade no relacionamento. É uma boa hora para conexão virtual.
  • Reconheça o que está acontecendo e inicie um diálogo sobre a situação atual (o problema).
  • Compreenda e honre suas emoções e as emoções de seu mentorado(a), incluindo o leque de reações que podem ser expressas.
  • Seja comunicativo(a). Relacionamentos saudáveis ​​e de apoio são cruciais durante esse período, pois nos ajudam a lidar com as emoções.
  • Forneça valor, de o melhor de si, mas não esqueça de alguma forma capturar valor, pois se você não se der valor, ninguém dará.

Ao longo dos anos, com relação ao negócio tenho me deparado em Mentoria com: Incertezas técnicas, incertezas mercadológicas, questões societárias, falta de alternativas e prioridades na tomada de decisão, falta de visão de possibilidades estratégicas, falta de visão do todo no modelo de negócio, entendimento do tipo e mercado para o próprio negócio, questões sobre o como atingir os potenciais clientes, maturidade do produto e principalmente financeiras em quando e como buscar investimento, financiamento ou fomento. Falta das capacidades necessárias para executar ou profissionais qualificados, etc. Negócios são complexos não podemos os ver sem considerar isto. Por outro lado questões pessoais, emocionais e sentimentais do empreendedor estão mais no campo do coaching, apoio/incentivo de “amigo” ou até mesmo indicação de apoio terapêutico em casos extremos.

E torça para que a retomada econômica, que está inciando, seja breve e efetiva.

Um grande abraço, @neigrando

Sobre o autor:

Nei Grando é diretor executivo da STRATEGIUS, teve duas empresas de tecnologia, é mestre em ciências pela FEA-USP com MBA pela FGV, organizador e autor do livro Empreendedorismo Inovador, é mentor de startups e atua como consultor, professor e palestrante sobre estratégia e novos modelos de negócio, inovação, organizações exponenciais, transformação digital e agilidade organizacional.

Detalhes: aqui, Contato: aqui.

Artigos relacionados:

Empresas e Negócios na Nova Economia

Quando se trata de negócios, do presente e principalmente do futuro estamos falando de incerteza, complexidade, ciência, tecnologia, pessoas, mercado e tantas outras coisas, que juntas podem tornar-se um grande enigma, uma grande questão.

Assim, para nossa reflexão, segue a primeira pergunta:

O que é o futuro?

Podemos passivamente pensar o futuro como algo misterioso, desconhecido, difícil de prever,  arriscado, assombroso e até mesmo assustador. Por outro lado, podemos vislumbrar o futuro a partir de problemas e necessidades atuais, sinais presentes e tendências tecnológicas, bem como comportamentais e de consumo, e assim, proativamente cria-lo. Ou seja, o futuro desejado começa a ser trabalhado no presente.

Quando olhamos à nossa volta, reconhecemos o que não faz parte da natureza, como por exemplo, um prédio na avenida Paulista, que um dia foi apenas um pensamento na mente de alguém. Com base em seus conhecimentos e experiências, esse(a) arquiteto(a) imaginou e criou um primeiro esboço, depois trocando ideias com interessados foi melhorando sucessivamente até chegar a uma planta, depois uma maquete e finalmente um projeto que entregou nas mãos dos encarregados das diversas engenharias e da construção para fazerem acontecer o prédio. Sim, isto é “criar o futuro”.

Quando um(a) cientista faz pesquisas na literatura, em campo ou em laboratório, geralmente tem um objetivo em mente e perguntas a responder. Ao trabalhar duramente, ao longo do tempo, na busca de respostas para estas perguntas e chegar a uma conclusão, ele(a) está preparando algo especial que também poderá mudar significativamente o futuro de muitas pessoas. E isso também ocorre com artistas, designers, publicitários, pessoal de mídia e muitos outros profissionais, pois criar e “construir o futuro” faz parte da natureza humana.

Seguindo esta linha, vem a segunda pergunta:

O que é um negócio?

Na essência, podemos dizer que um negócio é um tipo de transação que facilita a troca de valor. Isso provavelmente começou com a troca de um bem por outro bem ou de um bem por um serviço. Depois inventaram a moeda ($) para facilitar as trocas. Em outras palavras, um negócio nos possibilita vender coisas, fazer ou construir coisas (produtos e/ou serviços) e entregar coisas. Além disso, em um negócio pagamos impostos e taxas, fazemos controles contábeis e financeiros etc.

Depois, fazer negócios evoluiu. Vender coisas tornou-se criar demanda, com vendas, marketing, publicidade, desenvolvimento de produtos e serviços ao cliente, … envolvendo conceitos como proposição de valor, canais de distribuição, mercados e segmentos de clientes. Por outro lado, ao criar demanda teremos que atendê-la entregando os produtos e/ou serviços ao cliente e usuário. Isso requer processos (atividades), recursos como tecnologia, pessoas e dinheiro, além de parcerias de negócio com fornecedores e outros interessados.

Ultimamente as empresas têm explorado novas estratégias competitivas e colaborativas, bem como novos modelos de negócios, principalmente as digitais. Um destes modelos tem se destacado, por atuar uma forma um pouco diferente no ecossistema de valor e negócios, conseguindo um crescimento fora do comum. Trata-se do modelo de negócios plataforma – que permitiu o surgimento de tantos Unicórnios, ou seja, negócios startup que, em menos de 10 anos de existência, atingiram valor de mercado acima de um bilhão de dólares.

Isto nos leva a terceira questão:

como será o futuro dos negócios_

Como será o futuro dos negócios? 

A meu ver, estamos vivendo um momento de transição, de uma Sociedade Industrial do Século XX para uma Sociedade da informação, conhecimento e serviços do século XXI. Agora  estamos, cada vez mais, trabalhando em rede, com foco no cliente, com uma visão de demanda, administrada com mais flexibilidade e autonomia.

Trata-se de uma Nova Economia, mais digital, mais criativa, mais compartilhada, mais colaborativa, mais circular.

Esse “mundo 4.0”, dessa nova economia, está mais volátil – com um ritmo mais veloz; mais incerto – pois está mais difícil se prever como será tomar decisões e agir; mais complexo – com múltiplos fatores/variáveis que influenciam simultaneamente o ambiente e as tomadas de decisão; e mais ambíguo – pois falta de clareza sobre o significado dos eventos, gerando confusão sobre o paradigma de causa e efeito, que nos explicava os acontecimentos. Isso tem exigido dos líderes flexibilidade em relação às mudanças, habilidades para ver através do caos, conhecer melhor as capacidades e possíveis estratégias, e coragem para enfrentar os desafios e tomar decisões.

Com a Internet e o mundo globalizado, a ciência se tornou mais colaborativa e veloz, novas tecnologias se tornaram presentes como a computação em nuvem (cloud computing), a mídia social, a mobilidade via notebooks, tablets e celulares, e devido ao volume e variedade dos dados, surgiram soluções Big Data. Além dessas, outras tecnologias estão emergindo como a Inteligência Artificial – com aplicações que usam algoritmos e técnicas de aprendizagem de máquina e redes neurais; realidade virtual – que nos permite visitar outros lugares, aprender ao mesmo tempo que nos divertimos; realidade aumentada – que amplia nosso campo de visão com informações relevantes; internet das coisas – que além de prover sensores que fornecem  informações a uma quantidade enorme de aplicações industriais e domésticas, tem possibilitado a criação de dispositivos vestíveis que podem monitorar e atuar sobre nosso corpo e saúde entre outras aplicações; blockchain – que facilita o desenvolvimento de aplicações distribuídas, criptomoedas, contratos inteligentes e muito mais; etc. Tudo isso afetando o mundo dos negócios e colocando líderes e gestores sob muita pressão, pois precisam estar acompanhando não só as mudanças que já estão acontecendo, mas também as tendências de consumo e comportamento de uma sociedade que também evoluiu.

Os colaboradores das diversas gerações presentes na empresa continuam a demandar visão, propósito e direção a seguir de seus líderes para suas equipes, com mais autonomia e menos comando e controle. Também sabem que precisam se reciclar e adquirir novas habilidades para poder atender as novas demandas que estão vindo por aí, bem como a automação cada vez mais presente e mais inteligente.

As grandes empresas começaram a entender a importância de um melhor relacionamento com seus consumidores finais.  Estão buscando trabalhar a cultura, a estratégia, estrutura, modelos de negócio e processos na direção digital, desejando prover mais produtos e serviços a seus clientes, a qualquer hora, acessíveis via qualquer dispositivo, e em qualquer lugar. Começaram a se envolver mais com o ecossistema de valor e de negócios a sua volta, muitas inclusive já estão provendo plataformas digitais e marketplaces para agregar mais valor e se tornarem mais competitivas.  Outras empresas utilizam-se destas plataformas como fornecedoras, ou como consumidoras, ou até mesmo nos dois sentidos. E os usuários finais de produtos e serviços em seus smartphones, tablets e computadores pessoais agora as acessam e tomam decisões de compra com poucos toques ou cliques.

Enfim, o futuro dos negócios envolve tudo isso e muito mais.

E você, o que me diz sobre o futuro dos negócios? Comente!

Observação: Este artigo foi publicado originalmente, por mim, no blog do Futuro dos Negócios em duas partes, com os títulos: “Decifra-me ou te devoro – 1: o futuro e os negócios” e “Decifra-me ou te devoro – 2: como será o futuro dos negócios?“.

Se gostou, por favor, compartilhe! Abraço, @neigrando

Sobre o autor:

Nei Grando é diretor executivo da STRATEGIUS, teve duas empresas de tecnologia, é mestre em ciências pela FEA-USP com MBA pela FGV, organizador e autor do livro Empreendedorismo Inovador, é mentor de startups e atua como consultor, professor e palestrante sobre estratégia e novos modelos de negócio, inovação, organizações exponenciais, transformação digital e agilidade organizacional.

Detalhes: aqui, Contato: aqui.

Outros artigos relacionados: