As Bolhas Sociais dentro do Sistema

Redes sociais existem na sociedade antes mesmo da existência da Internet. Elas são grupos ou conjuntos de relacionamentos, onde cada pessoa é um nó da rede que é conectado a outros nós da rede pelo relacionamento que uma pessoa tem com a outra. Normalmente as pessoas participam de redes sociais compostas de colegas do trabalho, “irmãos” da igreja ou amigos de algum clube, pessoas da família e parentes, amigos mais próximos etc. É claro, porém, que algumas pessoas pertencem a mais de um destes grupos, causando assim algumas conexões entre eles.

Mas essas redes foram além, pois agora participamos destas também de forma virtual, a partir de ferramentas ou aplicativos, como Facebook, LinkedIn, Instagram, Twitter, etc. [1] Os fornecedores destes aplicativos “gratuitos” e seus investidores e patrocinadores se utilizam destas redes de pessoas e seus relacionamentos como um canal de mídia, tornando-se o que conhecemos por mídia social, usada segundo os interesses dos proprietários de tais canais e dos anunciantes. Essas mídias sociais e seus algoritmos passaram a nos conhecer e a ter influência significativa sobre nós. Elas mapeiam nossa navegação, os posts com os quais interagimos e como reagimos diante deles (curtir, gostar, reportar), além de observarem as informações de texto, fotos e vídeos que publicamos

É natural que nos relacionemos com pessoas, marcas e canais de mídia que  compartilhem dos mesmos gostos, interesses, ideias e visões de mundo de que a gente. Mesmo antes da existência da web, fazíamos isso em nossos círculos sociais e hábitos de consumo. A diferença é que, com os algoritmos avançados de inteligência artificial e técnicas usadas em jogos, estas “redes sociais” observam com quais pessoas e marcas a gente mais se relaciona e passam a escolher quais conteúdos a gente vê, sem que a gente nem perceba. Enfim, nosso comportamento nesses espaços, somado à capacidade algorítmica desses aplicativos, nos coloca em agrupamentos invisíveis a nós, conhecidos como “bolhas”.

Uma bolha de filtro é constituída relacionando interesses comuns entre as pessoas que pertencem a ela e os interesses do sistema que a criou. O interesse do sistema é exercer influência ainda maior de retenção e de mídia às pessoas que pertencem a estas bolhas. Então, ao longo do uso de tais aplicativos ou ferramentas de mídia social, as pessoas sem se darem conta ficam parcialmente presas a estas bolhas, sofrendo a influência delas sobre si e, querendo ou não, influenciando e reforçando ideias e informações às outras pessoas que estão nas bolhas. [2]

Outro ponto importante a se considerar é que, ainda que existam elementos positivos em agregar pessoas com interesses em comum, ou com semelhanças significativas aos anunciantes que as veem como potenciais consumidores, tais divisões podem intensificar desigualdades e conflitos já presentes na sociedade. Quando as pessoas são, sem ciência disto, segregadas em linhas de pensamento, modos de comportamento, classes sociais ou até mesmo raças e etnias, de modo que recebem apenas um número restrito de informações, conhecimentos e experiências, é bastante possível que se tenham problemas sociais e políticos por consequência.

Fonte: Diagrama de Rede Social. Credito: Daniel Tenerife/Wikipedia

Como saber se estamos em uma bolha social?

Quando vemos opiniões conflitantes em nosso feed de notícias (timeline) isto pode causar desconforto e angústia.  Não ter contato com outras visões de mundo, porém, pode nos levar a percepções distorcidas da realidade.

Imagine que, ao entrar na sua rede social favorita, você se depare com um post de alguém conhecido que o deixa desconfortável. Pode ser um meme zombando de seu candidato político, uma proclamação com a qual você discorda sobre um assunto delicado, como controle de armas, ou mesmo uma foto de alguém vestindo ou fazendo algo que provoque grande zombaria. Diante disso, você por acaso pensa: “vou silenciar as postagens desse sujeito”, “cancelando” seu amigo sem pensar duas vezes? Talvez, a princípio, você até sinta um alívio de poder voltar a ver seu feed de amigos que pensam exatamente como você, com anúncios totalmente direcionados aos seus desejos, mas, sem perceber, você acabou de fortalecer sua bolha de reforço.

Sim, nós contribuímos para a formação das bolhas, somos parcialmente culpados por nossos feeds altamente selecionados, mas como vimos antes a culpa não é toda nossa. Vejamos algumas explicações mais detalhadas de especialistas sobre as responsabilidades das partes envolvidas.

Nós selecionamos nossa própria bolha

Nós temos uma tendência natural de nos cercarmos de pessoas que pensam como nós.

Sentimos pensamentos conflitantes como um desconforto psicológico  considerável. A varredura cerebral revelou, de fato, que a dissonância cognitiva ativa áreas emocionais como a ínsula anterior e o córtex cingulado anterior dorsal ”, diz Don Vaughn, neurocientista do departamento de Psicologia da UCLA. “Visto que preferimos evitar experiências negativas, não é surpresa que as pessoas evitem o desconforto psicológico imediato da dissonância cognitiva simplesmente por não ler ou ouvir opiniões divergentes.”

A autora acrescenta, ainda, que há um gasto de energia envolvida nessa tendência. Essencialmente, o processamento de novos fatos, ideias e perspectivas requer um esforço neural significativo. Em outras palavras, ele força nosso cérebro a reconfigurar sua teia de conexões para entender, avaliar e potencialmente incorporar o novo conhecimento ao qual se está sendo exposto.

Algoritmos de mídia social filtram a realidade

O outro fator, que não deve ser subestimado, é a “bolha” da mídia social, um termo cunhado pelo ativista da internet Eli Pariser. Em sua palestra viral no TED, ele definiu essa “câmara de ressonância” como um “universo pessoal e único de informações em que você vive online. E o que está em sua bolha depende de quem você é e do que você faz. Mas a questão é que você não decide o que entra. E o mais importante, você não vê de fato o que é editado”.

Os gigantes da mídia social, incluindo Google, Facebook e Twitter, usam algoritmos secretos que estão sempre mudando, o que acaba criando essas bolhas que filtram informações.

Os algoritmos são propositalmente complicados para garantir que a pessoa média não os descubra”, diz Lisa Strohman, psicóloga clínica licenciada e fundadora da Digital Citizen Academy, uma organização dedicada a ajudar as pessoas a encontrar o equilíbrio entre suas vidas e a tecnologia moderna . “Sabemos que existem vários métodos em que os anúncios são configurados e exibidos. A maior delas é a coleta de dados que nós, os usuários, fornecemos voluntariamente ou não. Isso permite que os gigantes controlem ou manipulem o preço da publicidade e até mesmo publiquem seus próprios anúncios ou narrativas, se assim desejarem”.

Dica: Se você estiver curioso, este exercício pode lançar  uma luz parcial às suas bolhas de filtro: vá para o feed do Facebook, clique na seta para baixo à direita e vá para Configurações. A partir daí, clique em Anúncios, em seguida, em Suas informações e em suas categorias. Isso revela uma lista de dados que o site tem sobre você para fins de publicidade de terceiros, que vão desde suas inclinações políticas a hobbies, renda familiar e a probabilidade de você se envolver com determinado conteúdo político.

A realidade é que todas as plataformas agora nos alimentam constantemente com conteúdo que se alinha aos nossos próprios interesses, amigos e sistemas de crença. Eles são capazes de pegar o que navegamos ou postarmos e nos enviar de volta nossos próprios pensamentos coletados de outros seguidores de mídia social, como se tivéssemos centenas e milhares de amigos que se sentem da mesma maneira”, diz Strohman.

O problema com as bolhas

Antes de ignorar a noção de bolhas – considere seus perigos potenciais, conforme sugestão de Wendy Rose [3]:

  • Superestimamos a prevalência de nossa perspectiva: “Nosso cérebro constrói um modelo do mundo a partir das interações com nosso meio ambiente. Se todas as nossas interações forem unilaterais, o modelo do nosso cérebro será tendencioso”, diz Vaughn. Seria mais ou menos como se estivéssemos todos assistindo a um filme com o mesmo título, mas com histórias completamente diferentes. Esta é uma suposta razão pela qual muitos republicanos ficaram chateados com os resultados das eleições de 2020 nos EUA, pois superestimaram as chances de vitória de seu candidato.
  • Nossa empatia pelos outros diminui: “Minha pesquisa neurocientífica sobre empatia ressalta o fato de que simples noções de‘ nós ’e‘ eles ’ afetam como nosso cérebro processa a dor de outra pessoa. Quando ‘eles’ estão com dor, simulamos menos sua experiência e mostramos menos empatia”, diz Vaughn. Em última análise, reforçar nossas próprias crenças nos endurece em relação aos outros.
  • Inibe o diálogo autêntico e a mudança verdadeira: “Reforçar nossos sentimentos e pensamentos atuais nos faz sentir melhor”, diz Strohman, “mas, ao fazer isso, também perdemos a capacidade de elevar nossas ideias e colaborar nas principais questões que nossa nação está enfrentando.” Discutir abertamente e, mais importante, ouvir uns aos outros sobre questões polêmicas tem mais chances de promover ideias e soluções que melhoram nosso mundo.

Como contornar bolhas de reforço

Embora exista pouco que possamos fazer para impactar os algoritmos existentes, podemos dar passos em nossas vidas pessoais para estourar nossa bolha de reforço, ou pelo menos permitir que outros entrem nelas, conforme sugestões de Wendy Rose [3].

  • Ajuste os filtros que você pode controlar: Gerenciar nossos filtros, especificamente em relação às fontes de notícias, é extremamente importante. “Encontrar fontes menos tendenciosas ou se concentrar em ouvir dois feeds separados de forma equilibrada pode ser muito útil para obter uma perspectiva importante”, diz Strohman. Reconsidere tudo que te alimenta de informação, como os seus livros, podcasts, estações de rádio, revistas e jornais também.
  • Evite excluir aqueles com os quais você discorda: mesmo que você não esteja se envolvendo ativamente com esses conhecidos, expor-se a uma variedade de pensamentos o impede de superestimar a prevalência de sua própria perspectiva.
  • Envolva-se com alguém que tenha pontos de vista diferentes: “Procure alguém que você possa respeitar e que seja informado, que tenha uma visão oposta à sua posição”, diz Strohman. “Isso pode ajudar a descobrir e compreender nosso preconceito oculto em nossas origens.
  • Evite a alienação participando de debates, fóruns e comícios: seja um fórum aberto para sua associação de bairro ou um comício político, participar de eventos locais onde você pode interagir com as pessoas em tempo real abre a porta para um diálogo autêntico e novas perspectivas. Vá com a intenção de ouvir, não de discutir.

E quanto aos silos organizacionais, seriam eles como bolhas sociais?

Ao pensarmos e refletirmos sobre bolhas sociais, isso pode nos remeter a seguinte questão: Os silos organizacionais também não seriam, do ponto de vista de pessoas, cultura e relacionamentos, algo parecido com tais bolhas sociais?

O ritmo de mudança atual exige equipes mais colaborativas e inovadoras. Nesse sentido, a empresa deve buscar superar os silos e apoiar a interação multifuncional eficaz entre as equipes.

Quando as equipes saem de seus silos, a organização tem uma chance melhor de sucesso a longo prazo.

Segue abaixo algumas estratégias do artigo de Ian Cornett [4] que podem ajudar a quebrar silos e promover uma colaboração multifuncional em toda a organização:

Comunique uma visão unificada

Frequentemente, os silos organizacionais se formam porque as metas individuais ou departamentais se tornaram extremamente prioritárias e muito importantes, fazendo com que os funcionários percam de vista os objetivos mais amplos da empresa. Uma visão unificada, que é amplamente comunicada entre os funcionários, ajuda os indivíduos a compreenderem que as metas individuais e de equipe são secundárias à visão organizacional.

Para organizações que se acostumaram a operar em silos, a visão precisará ser comunicada com frequência e em diferentes meios para que permaneça como prioridade. Quando as pessoas têm uma visão geral, podem começar a entender seu lugar único na organização, bem como o de outras pessoas. Com o tempo, o foco em si mesmo e na equipe se expandirá para incluir outros indivíduos e equipes que também fazem parte da visão da empresa.

Crie responsabilidades compartilhadas

Uma vez que uma visão unificadora tenha sido estabelecida e comunicada, ela precisa se traduzir nos comportamentos cotidianos de equipes e indivíduos para se estabelecer. As equipes podem se beneficiar por terem metas compartilhadas que as unem, em vez de dividi-las. Por exemplo, uma organização pode alinhar as metas do departamento de TI com as de outros departamentos para garantir o uso mais eficiente dos sistemas internos de TI. Para quebrar ainda mais os silos organizacionais, também pode ser útil ter duas ou mais equipes trabalhando juntas em uma força-tarefa que termina com uma apresentação conjunta para a alta administração.

Reúna as equipes

Romper silos organizacionais e aumentar a colaboração entre equipes não acontece por si só, mas será mais provável quando os indivíduos tiverem oportunidades de interagir e trabalhar juntos. Reuniões conjuntas, grupos de foco e sessões de bate-papo podem fornecer aos funcionários a oportunidade de conhecer pessoas de outras equipes, quem faz o quê e como eles podem ajudar uns aos outros para atingir os objetivos da empresa. Outras atividades que reúnem equipes incluem a combinação de equipes semelhantes sob co-chefes, ou co-localização de equipes que podem se beneficiar da proximidade física, como no caso de empresas que mantêm equipes de vendas e marketing juntas. Organizar eventos corporativos também pode promover a colaboração, construir confiança e encorajar relacionamentos entre equipes.

Envolva a liderança

Pessoas em equipes diferentes provavelmente não colaborarão e permanecerão em silos, a menos que vejam suas lideranças modelando comportamento colaborativo. Os líderes da empresa precisam dar o exemplo para demonstrar que esperam um trabalho multi-funcional em equipe e o compartilhamento de informações entre seus funcionários. Os líderes podem apoiar uma maior colaboração das seguintes maneiras:

  • Fale sobre metas compartilhadas entre equipes
  • Designe um ou dois membros da equipe para manter outra equipe informada sobre um projeto importante
  • Comunique-se regularmente e passe tempo com líderes de outras equipes
  • Reconheça e recompense os indivíduos que demonstram colaboração com outras equipes
  • Incorpore ferramentas de colaboração

Na era digital, há uma variedade de ferramentas de colaboração no local de trabalho que podem reunir equipes na nuvem, tornando mais fácil o compartilhamento de ideias e informações.

As ferramentas de colaboração digital podem ser particularmente úteis na unificação de equipes e indivíduos remotos. Alguns exemplos incluem:

  • Plataformas de gerenciamento de projetos com recursos de chat e quadro branco virtual
  • Documentos compartilhados que permitem que várias equipes acessem e colaborem em apresentações, propostas e planos de projeto
  • Ferramentas de gerenciamento de dados que incorporam dados de outras plataformas – por exemplo, um CRM que se integra aos painéis da empresa usados por várias equipes

Mude mentalidades e comportamentos com treinamento

Uma ótima maneira de ajudar os funcionários a se libertar dos silos é treiná-los para se envolverem em comportamentos que apoiem mais o trabalho em equipe e colaboração. Com a ajuda do treinamento de responsabilidade, comunicação e liderança, para citar alguns, os funcionários podem aprender mais sobre os perigos dos silos, ver os benefícios da colaboração e praticar técnicas úteis para quebrar os silos no trabalho.

Silos organizacionais impedem a inovação e o crescimento. Eles também limitam o sucesso dos indivíduos, impedindo-os de perceber os benefícios positivos do trabalho em equipe e da colaboração. Ao usar estratégias que incentivam os indivíduos a se considerarem parte de uma equipe organizacional mais ampla, uma colaboração mais multifuncional pode se tornar uma realidade.

Considerações finais sobre como as redes sociais nos afetam

“Devemos sair de nossa tendência de teorizar sobre como a mídia social nos afeta e desenvolver uma compreensão científica rigorosa de como funciona.” – Sinan Aral, MIT Sloan professor

Para evitar os excessos das influência de tais redes em nossas vidas, precisamos, em primeiro lugar, buscar conhecimentos que tragam uma maior consciência sobre como ela opera. Em seguida, está o uso moderado e equilibrado dessas ferramentas, procurando manter contato não apenas com pessoas que pensam como você, mas também com ideias divergentes. Na sequência  estão a postura e o comportamento nas redes, procurando atuar de forma construtiva, incentivando e ajudando as pessoas, evitando críticas desnecessárias, tendo o cuidado de ler e analisar as informações recebidas antes de apoiá-las ou repassá-las, principalmente se forem falsas, maldosas ou mentirosas. Enfim, contribuindo sempre que possível de forma positiva e proativa durante a utilização de tais ferramentas.

Autor

Nei Grando – diretor executivo da STRATEGIUS, é consultor e palestrante em estratégia, inovação, transformação digital, organizações exponenciais e cidades inteligentes; pesquisador em inteligência artificial; conselheiro de empresas e mentor de startups. Autor do blog neigrando.com – Mestre em ciências pela FEA-USP, graduado em TI pela UEM, com MBA em Administração pela FGV e cursos de extensão em Estratégia e Gestão do Conhecimento (FGV) e Inovação e Redes Sociais (ESPM). Teve duas empresas de software e soluções de TI, onde conduziu o desenvolvimento de portais e plataformas digitais de negócios, internet-banking, home broker, CRM, GED, GC e outros. É o organizador e um dos autores do livro “Empreendedorismo inovador”, e autor em outros três. Como professor, ministrou as disciplinas de “Strategic Thinking” e “Planejamento Estratégico” em curso MBA da FIAP, “Intelligence Driven Decision“e “Fundamentos de Inteligência Artificial” em curso MBA da ESPM e como prof. convidado, no curso “Laboratório de Startups” do CIC-ESPM.

Referências:

[1] Aral , Sinan Kayhan. The promise and peril of The Hype Machine, MIT Management Sloan School.

[2] Site Oficial NetFlix, Documentário. O Dilema das Redes.

[3] Gould, Wendy Rose. Are you in a social media bubble? Here’s how to tell.

[4] Cornett, Ian.  6 Strategies for Breaking Down Silos in Your Organization.

Um olhar para a Empresa Moderna ideal

Minha forma de ver uma empresa ideal para a atualidade é a de um organismo vivo – pois sua essência é composta de pessoas. É sistêmica no sentido de que seus “órgãos” são interdependentes, holística porque requer uma visão 360º daqueles que decidem, dirigem e executam sua governança e gestão. Ela é complexa pelo grande número, variedade e relação entre fatores. É volátil ou até mesmo frágil ao considerarmos a velocidade das mudanças do mercado, setor e até mesmo internas que precisam ser absorvidas, tratadas e respondidas. Está inserida num contexto que requer de seus gestores um pensamento não-linear, pois ou enfrenta ou vive rompimentos de mercados, exponencialidade do digital, falta de clareza para decidir, além de ansiedade e incertezas sobre o futuro.

Fonte da imagem: Wikipedia – Company

Como empresa da nova economia ela tem um propósito claro, bem como uma visão de futuro para todos os interessados (stakeholders) e valores comportamentais para seus colaboradores coerentes com sua atividade e razão social de existir. E isso é base para uma cultura que anda par-a-par com sua estratégia e execução. Nessa cultura a confiança honrada pela liderança integra e transparente é que dá liga para o propósito, que gera energia, colaboração e bons resultados. Sua cultura é inclusiva, considera e lida bem com a diversidade, possibilita autonomia e a integralidade do ser, ou seja, permite que as pessoas sejam autênticas.

Sua estratégia está além do modelo de negócios, pois considera o domínio do conhecimento sobre o mercado, o seu setor de atuação, a concorrência, e as tendências econômicas, sociais, comportamentais e tecnológicas. É centrada no cliente (sob o ponto de vista dele, não apenas o da empresa) e trabalha os princípios e valores ágeis de organizações mais digitais.

Sua execução é exemplar, pois trabalha com poucos objetivos táticos e expectativas de resultados claros e transparentes, alinhados aos objetivos estratégicos maiores, e uso de métricas para acompanhar a evolução dos mesmos e ajustá-los ao longo da jornada.

Trabalha a governança e os aspectos de retorno social e proteção ambiental na prática demostrada com a inclusão destes cuidados em seus processos e confirmação interna e externa.

Enfim, sei que tudo o que foi dito acima parece fora da realidade, quando vemos tantas empresas passando por dificuldades pós-pandemia e devido ao momento econômico e político que enfrentamos, mas pesquisas elaboradas e apresentadas pelo MITSloan review e artigos de consultorias como McKinley, Deloitte, BCG, PwC – dizem que empresas que atuaram assim, sofreram a crise, mas tem se saído melhor e obtido melhores resultados..

Se gostou, por favor, compartilhe. Abraço, @neigrando

Sobre mim: aqui, Contato: aqui.

Para saber em mais detalhes veja os artigos abaixo:

Sobre o autor:

Nei Grando, diretor da Strategius, é Mestre em Ciências pela FEA-USP, com MBA em Gestão de Negócios pela FGV. Teve duas empresas pioneiras de TI especializadas no Desenvolvimento de Software para conectividade e Web. Atualmente, atua como pesquisador e curador de conteúdo relacionado a negócios e tecnologia. É consultor e conselheiro de empresas, mentor de startups de tecnologia, professor em diferentes Universidades e palestrante sobre estratégia e modelos de negócios, inovação, transformação digital e agilidade organizacional.

Áreas de Aplicação das Tecnologias Smart City

“Cidades mais inteligentes favorecem o desenvolvimento integrado e sustentável tornando-se mais inovadoras, competitivas, atrativas e resilientes, melhorando vidas.”

Recentemente apresentei os conceitos introdutórios sobre Smart City para aplicação em cidades brasileiras no artigo SMART CITY: Por uma Cidade mais Inteligente. Neste artigo apresento soluções práticas para alguns dos problemas urbanos mais comuns em diversas áreas.

Por tecnologias de cidade inteligente entendem-se aquelas relacionadas ao conceito de smart city,  na maioria das vezes são tecnologias digitais e / ou baseadas em dados que são aplicáveis nas condições reais da cidade e contribuem para o enfrentamento dos problemas públicos ou desafios da cidade. Em cidades inteligentes, essas tecnologias são usadas para desenvolver “infraestrutura crítica” nas seguintes áreas: transporte, gestão de água e resíduos, construção, energia, segurança, educação, saúde e gestão urbana. Estas principais áreas de aplicação dessas tecnologias são apresentadas a seguir. Todos elas são conhecidas cumulativamente na maioria das cidades inteligentes ao redor do mundo, que se encontram em diferentes estágios do processo de transformação. Esta lista não representa todas as áreas de aplicação e é apenas uma introdução para uma melhor compreensão da forma e dos motivos da penetração dessas tecnologias.

Transporte Inteligente

  • Veículos autônomos – veículos equipados com sensores e software para funcionar sozinhos; capacidade total de autogerenciamento (nível 4) é alcançada quando não se espera que a intervenção humana assuma o controle em nenhum momento.
  • Compartilhamento de bicicletas – bicicletas para uso público, seja em centros de encaixe ou de uso livre, para fornecer uma alternativa ao uso de bicicleta, transporte público e propriedade privada de bicicletas. Essa opção pode cobrir o segmento da primeira / última milha quando o transporte público não faz uma viagem porta a porta.
  • Compartilhamento de carro – acesso ao uso de carros em curto prazo sem propriedade total; pode ser bidirecional (com base na estação), unidirecional (flutuação livre), ponto a ponto ou parcial.
  • Preços de congestionamento – taxas para usar um carro pessoal em certas áreas, durante o pico de demanda, ou ambos.
  • Micro-trânsito baseado na demanda – compartilhando serviços com rotas fixas, paradas fixas ou ambos, geralmente complementando as rotas de transporte público existentes. Os algoritmos usam uma pesquisa histórica para determinar rotas, tamanho do veículo e frequência de viagem. Pode incluir opções de reserva de assento.
  • Pagamento por transporte público de forma digital – sistemas de pagamento digital e sem contato em transporte público, que permitem pré-pagamento e upload mais rápido. Inclui cartões inteligentes e pagamentos móveis.
  • Chamada eletrônica (privada e combinada) – o pedido em tempo real do transporte ponto a ponto por meio de um dispositivo móvel. O e-ringing unificado envolve a conexão dinâmica de viagens individuais com rotas compatíveis para aumentar a utilização do veículo (ou seja, otimização de busca local em tempo real).
  • Informações multimodais integradas – informações em tempo real sobre preço, horário e disponibilidade de opções de transporte em vários modos.
  • Sinais de trânsito inteligentes – melhorando o tráfego geral ao otimizar dinamicamente os semáforos e os limites de velocidade, levando a velocidades médias mais altas nas estradas e paradas e retornos menos frequentes. Inclui tecnologia de luz preferencial que prioriza veículos de emergência, ônibus públicos ou ambos.
  • Consolidação da carga de encomendas – compatibilização online da procura de insumos com a oferta de capacidade de carga disponível. Aproveitando ao máximo os veículos, menos caminhões fazem mais entregas.
  • Manutenção previsível da infraestrutura de transporte – monitoramento sensorial da condição do transporte público e infraestrutura relacionada (como trilhos, estradas e pontes) para que a manutenção preditiva possa ser realizada antes que acidentes e interrupções ocorram.
  • Informações em tempo real sobre transporte público – informações em tempo real sobre chegadas e partidas de modos de transporte público, incluindo sistemas informais de ônibus.
  • Navegação rodoviária em tempo real – ferramentas de navegação em tempo real para selecionar as rotas de trânsito, com sinais para construção, desvios, congestionamentos e acidentes. Isso é especialmente verdadeiro para quem dirige sozinho ou de carro.
  • Caixas de correio inteligentes – caixas em um local onde as pessoas podem retirar pacotes usando códigos de acesso individuais enviados para seus dispositivos móveis.
  • Estacionamento inteligente – sistemas que direcionam os motoristas diretamente para as vagas disponíveis; pode afetar a demanda por meio de encargos variáveis.

Gestão Inteligente de Água e Resíduos

  • Detecção e controle de vazamentos – monitoramento remoto do estado das tubulações com a ajuda de sensores e controle da pressão da bomba para reduzir ou prevenir vazamentos de água. A identificação precoce de vazamentos pode levar ao acompanhamento por departamentos municipais e concessionárias relevantes.
  • Irrigação inteligente – otimizando a irrigação por meio da análise de informações como clima local, condições do solo, espécies de plantas etc. para eliminar a irrigação desnecessária.
  • Acompanhamento do consumo de águafeedback (através de aplicação móvel, e-mail, texto etc.) sobre o consumo de água do ocupante, de forma a sensibilizar e reduzir o consumo. Os medidores de água inteligentes permitem que as concessionárias meçam o consumo remotamente, reduzindo os custos de mão de obra para a leitura manual do medidor. Também permite preços dinâmicos.
  • Monitoramento da qualidade da água – monitoramento em tempo real da qualidade da água (em redes, rios, oceanos etc.) por meio de sinais entregues ao público por meio de canais como aplicativo móvel, e-mail, texto ou site. Isso alerta a população para evitar o consumo ou contato com a água poluída e fazer com que as cidades e concessionárias acompanhem o problema imediatamente.
  • Rastreamento digital e pagamento pela destinação de resíduos – sistemas de pagamento digital de acordo com o volume de resíduos gerados; inclui feedback (via aplicativo móvel, e-mail, texto etc.) fornecido aos usuários para aumentar a conscientização e reduzir o desperdício.
  • Otimização da rota de coleta de resíduos – utilização de sensores nas embalagens de resíduos para medir o volume de resíduos e direcionar as rotas dos caminhões de resíduos. Este aplicativo restringe o deslocamento de caminhões de lixo para lixeiras com uma pequena quantidade de lixo.

Construção Inteligente

  • Sistemas de automação predial – sistemas que otimizam o uso de energia e água em edifícios comerciais e públicos, usando sensores e análises para eliminar ineficiências manual ou automaticamente. Inclui iluminação otimizada e HVAC, bem como recursos como acesso / controle de segurança e informações de estacionamento.
  • Sistemas de automação de energia doméstica – otimização do consumo de energia da casa usando termostatos inteligentes, dispositivos eletrônicos programáveis e controlados remotamente (casa inteligente) e controle de eletricidade de reserva.
  • Acompanhamento do consumo de energia em casa – acompanhando o consumo de eletricidade em residências com feedback fornecido ao consumidor por meio de um aplicativo móvel, e-mail ou texto para aumentar a conscientização do consumidor e promover sua proteção. Ele também permite que as concessionárias meçam remotamente o uso de eletricidade.

Energia Inteligente

  • Sistemas de automação de fornecimento – vários tipos de tecnologias de rede inteligente, incluindo FDIR, M&D, Volt/Var e automação de subestação, para otimizar a eficiência energética e a estabilidade da rede.
  • Preço dinâmico da eletricidade – ajuste dinâmico dos preços da eletricidade para reduzir o consumo de eletricidade e os custos de geração de eletricidade. Ao reduzir o consumo de pico, as cidades podem reduzir o número de usinas que operam durante os horários de pico.
  • Luzes de rua inteligentes – conectadas e equipadas com sensores de iluminação pública que economizam energia (incluindo LED), que otimizam o brilho e reduzem as necessidades de manutenção. Luzes de rua inteligentes podem ser equipadas com alto-falantes, sensores de disparo e outros recursos para melhorar a funcionalidade

Segurança Inteligente

  • Câmeras corporais – sistemas de gravação de áudio, vídeo ou fotográfico comumente usados ​​por policiais para registrar incidentes e operações policiais.
  • Gestão de multidões – tecnologia para monitorar e, quando necessário, guiar multidões para garantir a segurança.
  • Inspeções de construção baseadas em dados – uso de dados e análise para enfocar as inspeções nos edifícios com os maiores riscos potenciais (por exemplo, priorização de edifícios comerciais para inspeções de código de incêndio e residências para inspeções de chumbo).
  • Sistemas de alerta precoce de desastres – tecnologia projetada para antecipar e mitigar os efeitos de desastres naturais, como furacões, terremotos, inundações e incêndios florestais.
  • Otimização da resposta a emergências – o uso de análises e tecnologias para otimizar o processamento de chamadas de emergência e operações de campo, como a implantação estratégica de veículos de emergência.
  • Detecção de tiro – tecnologia de vigilância acústica que inclui sensores de áudio para detectar, localizar e alertar as agências policiais sobre incidentes de tiro em tempo real.
  • Sistemas de segurança residencial – sistemas de segurança que monitoram residências e alertam usuários, serviços de emergência ou ambos sobre atividades incomuns.
  • Aplicativos de alarme pessoal – aplicativos que alertam sobre uma emergência alertando a Central de Emergências, entes queridos ou ambos. Dispositivos (como equipamentos de proteção individual, detectores de colisão e sistemas de alerta de queda) podem transmitir dados de localização e voz.
  • Controle previsível – o uso de big data e análise (incluindo monitoramento de mídia social) para prever com mais precisão onde e quando os crimes podem ocorrer. Esses sistemas são usados ​​para implantar patrulhas policiais e prevenção de crimes.
  • Mapeamento de crimes em tempo real – uma tecnologia usada por policiais para mapear, visualizar e analisar modelos de incidentes de crime. A coleta de informações e inteligência serve como uma ferramenta de gestão para a alocação eficiente de recursos e prestação de contas entre os funcionários.
  • Vigilância inteligente – monitoramento inteligente para detectar anomalias com base em emissões visuais, incluindo reconhecimento de rosto, sistemas inteligentes de televisão em circuito fechado e reconhecimento de número de registro.

Educação Inteligente

  • Aprendizagem personalizada – o uso de dados de alunos para identificar pessoas que precisam de atenção extra ou recursos; o potencial de adaptação do ambiente de aprendizagem para alunos individuais.
  • Programas de reciclagem online – oportunidades de aprendizagem ao longo da vida fornecidas em formato digital, especialmente para ajudar as pessoas que estão desempregadas ou em risco de ficarem desempregadas a adquirir novas competências.
  • Centros locais de carreira – plataformas online para publicação de vagas em aberto e perfis de candidatos; pode usar algoritmos para combinar candidatos compatíveis com empregos disponíveis.
  • Redução do tempo de procura de emprego e aumento do número de novos empregos.

Saúde Inteligente

  • Intervenções de saúde pública com base em dados de saúde materno-infantil – uso de análises para direcionar intervenções de saúde altamente direcionadas para grupos de risco (neste caso, identificação de grávidas e novas mães para conduzir campanhas educacionais e cuidados pós-natal).
  • Intervenções de saúde pública para melhorar o saneamento e a higiene – uso de análises para direcionar intervenções altamente direcionadas, como a compreensão de onde aumentar a capacidade de absorção de chuva ou coleta de dados sobre sistemas de vazamento de esgoto.
  • Alertas de socorro urgente – tecnologias que alertam os transeuntes treinados para que as vítimas de parada cardíaca recebam atendimento imediato e urgente.
  • Monitoramento de doenças infecciosas – coleta, análise e resposta para prevenir a propagação de doenças infecciosas e epidêmicas. Inclui campanhas de conscientização e vacinação (por exemplo, para HIV/AIDS).
  • Sistemas integrados de gerenciamento de fluxo de pacientes – soluções de hardware e software em tempo real que fornecem visibilidade de onde os pacientes estão no sistema para melhorar as operações do hospital e coordenar o uso na cidade ou em vários locais.
  • Roupas de estilo de vida – dispositivos portáteis que coletam dados sobre indicadores de estilo de vida e atividade e informam o usuário; elas podem promover exercícios ou outros aspectos de um estilo de vida saudável.
  • Busca e planejamento de atendimento online – ferramentas que apoiam a seleção de provedores e provedores com transparência financeira e clínica.
  • Informações em tempo real sobre a qualidade do ar – sensores em tempo real para detectar e monitorar a presença de poluição do ar (externo, interno ou ambos). Os indivíduos podem visualizar as informações online ou em um dispositivo pessoal e decidir mudar seu comportamento de acordo.
  • Monitoramento remoto do paciente – coleta e transmissão de dados do paciente para análise e intervenção do provedor de saúde em outro lugar (por exemplo, monitoramento de sinais vitais ou de açúcar no sangue). Inclui tecnologias de adesão a medicamentos que ajudam os pacientes a tomar os medicamentos recomendados por seu médico.
  • Telemedicina – interação virtual do paciente e do médico por meio da tecnologia audiovisual

Gestão da Cidade Inteligente

  • Obtenção de licenças e autorizações para negócios digitalmente – um processo digitalizado (como um portal online) para as empresas obterem licenças e autorizações para operação.
  • Envio de impostos digitalmente – um canal de negócios para realizar a declaração de impostos online.
  • Obtenção de alvarás de uso de terrenos e edificações por meio digital – digitalização e automação do processo de solicitação de licenciamento de uso de terreno e construção, reduzindo o tempo de homologação e aumentando a transparência.
  • Banco de dados aberto para cadastro – banco de dados completo dos lotes da cidade, aberto ao público; permite um mercado de terrenos mais eficiente, criando transparência nas terrenos disponíveis e reduzindo o custo de registro de lotes.
  • Plataformas de acomodação ponto a ponto – mercados digitais onde proprietários individuais podem listar e alugar propriedades para acomodação de curto prazo.
  • Serviços civis digitais – digitalização dos serviços administrativos do estado voltados para o cidadão, tais como declaração de imposto de renda, registro de automóveis ou solicitação de seguro-desemprego.
  • Aplicações locais de engajamento cívico – engajamento público em questões urbanas por meio de aplicativos digitais. Pode incluir relatar problemas e necessidades de manutenção (por exemplo, relatar lâmpadas quebradas por meio de um aplicativo); fornecer informações sobre decisões políticas; participar de iniciativas urbanas digitais (como hackathons de dados abertos); e interagir com autoridades municipais e departamentos de redes de serviços sociais.
  • Plataformas de comunicação local – sites ou aplicativos móveis que ajudam as pessoas a se conectarem e, potencialmente, encontrar outras pessoas em sua comunidade. Pode ser usado para encontrar pessoas com interesses e hobbies semelhantes, para se conectar com vizinhos etc.

Para existirem cidades mais inteligentes, humanas e sustentáveis, contamos com o apoio de governantes, servidores e cidadãos inteligentes.

Se gostou, por favor, compartilhe. Abraço, @neigrando

Sobre mim: aqui, Contato: aqui.

Referência

Este texto foi traduzido e adaptado do original em ingês: Where Are Smart City Technologies Used? Areas Of Application, do blog smartbydesign.eu (2020).

Artigos relacionados