As Bolhas Sociais dentro do Sistema

Redes sociais existem na sociedade antes mesmo da existência da Internet. Elas são grupos ou conjuntos de relacionamentos, onde cada pessoa é um nó da rede que é conectado a outros nós da rede pelo relacionamento que uma pessoa tem com a outra. Normalmente as pessoas participam de redes sociais compostas de colegas do trabalho, “irmãos” da igreja ou amigos de algum clube, pessoas da família e parentes, amigos mais próximos etc. É claro, porém, que algumas pessoas pertencem a mais de um destes grupos, causando assim algumas conexões entre eles.

Mas essas redes foram além, pois agora participamos destas também de forma virtual, a partir de ferramentas ou aplicativos, como Facebook, LinkedIn, Instagram, Twitter, etc. [1] Os fornecedores destes aplicativos “gratuitos” e seus investidores e patrocinadores se utilizam destas redes de pessoas e seus relacionamentos como um canal de mídia, tornando-se o que conhecemos por mídia social, usada segundo os interesses dos proprietários de tais canais e dos anunciantes. Essas mídias sociais e seus algoritmos passaram a nos conhecer e a ter influência significativa sobre nós. Elas mapeiam nossa navegação, os posts com os quais interagimos e como reagimos diante deles (curtir, gostar, reportar), além de observarem as informações de texto, fotos e vídeos que publicamos

É natural que nos relacionemos com pessoas, marcas e canais de mídia que  compartilhem dos mesmos gostos, interesses, ideias e visões de mundo de que a gente. Mesmo antes da existência da web, fazíamos isso em nossos círculos sociais e hábitos de consumo. A diferença é que, com os algoritmos avançados de inteligência artificial e técnicas usadas em jogos, estas “redes sociais” observam com quais pessoas e marcas a gente mais se relaciona e passam a escolher quais conteúdos a gente vê, sem que a gente nem perceba. Enfim, nosso comportamento nesses espaços, somado à capacidade algorítmica desses aplicativos, nos coloca em agrupamentos invisíveis a nós, conhecidos como “bolhas”.

Uma bolha de filtro é constituída relacionando interesses comuns entre as pessoas que pertencem a ela e os interesses do sistema que a criou. O interesse do sistema é exercer influência ainda maior de retenção e de mídia às pessoas que pertencem a estas bolhas. Então, ao longo do uso de tais aplicativos ou ferramentas de mídia social, as pessoas sem se darem conta ficam parcialmente presas a estas bolhas, sofrendo a influência delas sobre si e, querendo ou não, influenciando e reforçando ideias e informações às outras pessoas que estão nas bolhas. [2]

Outro ponto importante a se considerar é que, ainda que existam elementos positivos em agregar pessoas com interesses em comum, ou com semelhanças significativas aos anunciantes que as veem como potenciais consumidores, tais divisões podem intensificar desigualdades e conflitos já presentes na sociedade. Quando as pessoas são, sem ciência disto, segregadas em linhas de pensamento, modos de comportamento, classes sociais ou até mesmo raças e etnias, de modo que recebem apenas um número restrito de informações, conhecimentos e experiências, é bastante possível que se tenham problemas sociais e políticos por consequência.

Fonte: Diagrama de Rede Social. Credito: Daniel Tenerife/Wikipedia

Como saber se estamos em uma bolha social?

Quando vemos opiniões conflitantes em nosso feed de notícias (timeline) isto pode causar desconforto e angústia.  Não ter contato com outras visões de mundo, porém, pode nos levar a percepções distorcidas da realidade.

Imagine que, ao entrar na sua rede social favorita, você se depare com um post de alguém conhecido que o deixa desconfortável. Pode ser um meme zombando de seu candidato político, uma proclamação com a qual você discorda sobre um assunto delicado, como controle de armas, ou mesmo uma foto de alguém vestindo ou fazendo algo que provoque grande zombaria. Diante disso, você por acaso pensa: “vou silenciar as postagens desse sujeito”, “cancelando” seu amigo sem pensar duas vezes? Talvez, a princípio, você até sinta um alívio de poder voltar a ver seu feed de amigos que pensam exatamente como você, com anúncios totalmente direcionados aos seus desejos, mas, sem perceber, você acabou de fortalecer sua bolha de reforço.

Sim, nós contribuímos para a formação das bolhas, somos parcialmente culpados por nossos feeds altamente selecionados, mas como vimos antes a culpa não é toda nossa. Vejamos algumas explicações mais detalhadas de especialistas sobre as responsabilidades das partes envolvidas.

Nós selecionamos nossa própria bolha

Nós temos uma tendência natural de nos cercarmos de pessoas que pensam como nós.

Sentimos pensamentos conflitantes como um desconforto psicológico  considerável. A varredura cerebral revelou, de fato, que a dissonância cognitiva ativa áreas emocionais como a ínsula anterior e o córtex cingulado anterior dorsal ”, diz Don Vaughn, neurocientista do departamento de Psicologia da UCLA. “Visto que preferimos evitar experiências negativas, não é surpresa que as pessoas evitem o desconforto psicológico imediato da dissonância cognitiva simplesmente por não ler ou ouvir opiniões divergentes.”

A autora acrescenta, ainda, que há um gasto de energia envolvida nessa tendência. Essencialmente, o processamento de novos fatos, ideias e perspectivas requer um esforço neural significativo. Em outras palavras, ele força nosso cérebro a reconfigurar sua teia de conexões para entender, avaliar e potencialmente incorporar o novo conhecimento ao qual se está sendo exposto.

Algoritmos de mídia social filtram a realidade

O outro fator, que não deve ser subestimado, é a “bolha” da mídia social, um termo cunhado pelo ativista da internet Eli Pariser. Em sua palestra viral no TED, ele definiu essa “câmara de ressonância” como um “universo pessoal e único de informações em que você vive online. E o que está em sua bolha depende de quem você é e do que você faz. Mas a questão é que você não decide o que entra. E o mais importante, você não vê de fato o que é editado”.

Os gigantes da mídia social, incluindo Google, Facebook e Twitter, usam algoritmos secretos que estão sempre mudando, o que acaba criando essas bolhas que filtram informações.

Os algoritmos são propositalmente complicados para garantir que a pessoa média não os descubra”, diz Lisa Strohman, psicóloga clínica licenciada e fundadora da Digital Citizen Academy, uma organização dedicada a ajudar as pessoas a encontrar o equilíbrio entre suas vidas e a tecnologia moderna . “Sabemos que existem vários métodos em que os anúncios são configurados e exibidos. A maior delas é a coleta de dados que nós, os usuários, fornecemos voluntariamente ou não. Isso permite que os gigantes controlem ou manipulem o preço da publicidade e até mesmo publiquem seus próprios anúncios ou narrativas, se assim desejarem”.

Dica: Se você estiver curioso, este exercício pode lançar  uma luz parcial às suas bolhas de filtro: vá para o feed do Facebook, clique na seta para baixo à direita e vá para Configurações. A partir daí, clique em Anúncios, em seguida, em Suas informações e em suas categorias. Isso revela uma lista de dados que o site tem sobre você para fins de publicidade de terceiros, que vão desde suas inclinações políticas a hobbies, renda familiar e a probabilidade de você se envolver com determinado conteúdo político.

A realidade é que todas as plataformas agora nos alimentam constantemente com conteúdo que se alinha aos nossos próprios interesses, amigos e sistemas de crença. Eles são capazes de pegar o que navegamos ou postarmos e nos enviar de volta nossos próprios pensamentos coletados de outros seguidores de mídia social, como se tivéssemos centenas e milhares de amigos que se sentem da mesma maneira”, diz Strohman.

O problema com as bolhas

Antes de ignorar a noção de bolhas – considere seus perigos potenciais, conforme sugestão de Wendy Rose [3]:

  • Superestimamos a prevalência de nossa perspectiva: “Nosso cérebro constrói um modelo do mundo a partir das interações com nosso meio ambiente. Se todas as nossas interações forem unilaterais, o modelo do nosso cérebro será tendencioso”, diz Vaughn. Seria mais ou menos como se estivéssemos todos assistindo a um filme com o mesmo título, mas com histórias completamente diferentes. Esta é uma suposta razão pela qual muitos republicanos ficaram chateados com os resultados das eleições de 2020 nos EUA, pois superestimaram as chances de vitória de seu candidato.
  • Nossa empatia pelos outros diminui: “Minha pesquisa neurocientífica sobre empatia ressalta o fato de que simples noções de‘ nós ’e‘ eles ’ afetam como nosso cérebro processa a dor de outra pessoa. Quando ‘eles’ estão com dor, simulamos menos sua experiência e mostramos menos empatia”, diz Vaughn. Em última análise, reforçar nossas próprias crenças nos endurece em relação aos outros.
  • Inibe o diálogo autêntico e a mudança verdadeira: “Reforçar nossos sentimentos e pensamentos atuais nos faz sentir melhor”, diz Strohman, “mas, ao fazer isso, também perdemos a capacidade de elevar nossas ideias e colaborar nas principais questões que nossa nação está enfrentando.” Discutir abertamente e, mais importante, ouvir uns aos outros sobre questões polêmicas tem mais chances de promover ideias e soluções que melhoram nosso mundo.

Como contornar bolhas de reforço

Embora exista pouco que possamos fazer para impactar os algoritmos existentes, podemos dar passos em nossas vidas pessoais para estourar nossa bolha de reforço, ou pelo menos permitir que outros entrem nelas, conforme sugestões de Wendy Rose [3].

  • Ajuste os filtros que você pode controlar: Gerenciar nossos filtros, especificamente em relação às fontes de notícias, é extremamente importante. “Encontrar fontes menos tendenciosas ou se concentrar em ouvir dois feeds separados de forma equilibrada pode ser muito útil para obter uma perspectiva importante”, diz Strohman. Reconsidere tudo que te alimenta de informação, como os seus livros, podcasts, estações de rádio, revistas e jornais também.
  • Evite excluir aqueles com os quais você discorda: mesmo que você não esteja se envolvendo ativamente com esses conhecidos, expor-se a uma variedade de pensamentos o impede de superestimar a prevalência de sua própria perspectiva.
  • Envolva-se com alguém que tenha pontos de vista diferentes: “Procure alguém que você possa respeitar e que seja informado, que tenha uma visão oposta à sua posição”, diz Strohman. “Isso pode ajudar a descobrir e compreender nosso preconceito oculto em nossas origens.
  • Evite a alienação participando de debates, fóruns e comícios: seja um fórum aberto para sua associação de bairro ou um comício político, participar de eventos locais onde você pode interagir com as pessoas em tempo real abre a porta para um diálogo autêntico e novas perspectivas. Vá com a intenção de ouvir, não de discutir.

E quanto aos silos organizacionais, seriam eles como bolhas sociais?

Ao pensarmos e refletirmos sobre bolhas sociais, isso pode nos remeter a seguinte questão: Os silos organizacionais também não seriam, do ponto de vista de pessoas, cultura e relacionamentos, algo parecido com tais bolhas sociais?

O ritmo de mudança atual exige equipes mais colaborativas e inovadoras. Nesse sentido, a empresa deve buscar superar os silos e apoiar a interação multifuncional eficaz entre as equipes.

Quando as equipes saem de seus silos, a organização tem uma chance melhor de sucesso a longo prazo.

Segue abaixo algumas estratégias do artigo de Ian Cornett [4] que podem ajudar a quebrar silos e promover uma colaboração multifuncional em toda a organização:

Comunique uma visão unificada

Frequentemente, os silos organizacionais se formam porque as metas individuais ou departamentais se tornaram extremamente prioritárias e muito importantes, fazendo com que os funcionários percam de vista os objetivos mais amplos da empresa. Uma visão unificada, que é amplamente comunicada entre os funcionários, ajuda os indivíduos a compreenderem que as metas individuais e de equipe são secundárias à visão organizacional.

Para organizações que se acostumaram a operar em silos, a visão precisará ser comunicada com frequência e em diferentes meios para que permaneça como prioridade. Quando as pessoas têm uma visão geral, podem começar a entender seu lugar único na organização, bem como o de outras pessoas. Com o tempo, o foco em si mesmo e na equipe se expandirá para incluir outros indivíduos e equipes que também fazem parte da visão da empresa.

Crie responsabilidades compartilhadas

Uma vez que uma visão unificadora tenha sido estabelecida e comunicada, ela precisa se traduzir nos comportamentos cotidianos de equipes e indivíduos para se estabelecer. As equipes podem se beneficiar por terem metas compartilhadas que as unem, em vez de dividi-las. Por exemplo, uma organização pode alinhar as metas do departamento de TI com as de outros departamentos para garantir o uso mais eficiente dos sistemas internos de TI. Para quebrar ainda mais os silos organizacionais, também pode ser útil ter duas ou mais equipes trabalhando juntas em uma força-tarefa que termina com uma apresentação conjunta para a alta administração.

Reúna as equipes

Romper silos organizacionais e aumentar a colaboração entre equipes não acontece por si só, mas será mais provável quando os indivíduos tiverem oportunidades de interagir e trabalhar juntos. Reuniões conjuntas, grupos de foco e sessões de bate-papo podem fornecer aos funcionários a oportunidade de conhecer pessoas de outras equipes, quem faz o quê e como eles podem ajudar uns aos outros para atingir os objetivos da empresa. Outras atividades que reúnem equipes incluem a combinação de equipes semelhantes sob co-chefes, ou co-localização de equipes que podem se beneficiar da proximidade física, como no caso de empresas que mantêm equipes de vendas e marketing juntas. Organizar eventos corporativos também pode promover a colaboração, construir confiança e encorajar relacionamentos entre equipes.

Envolva a liderança

Pessoas em equipes diferentes provavelmente não colaborarão e permanecerão em silos, a menos que vejam suas lideranças modelando comportamento colaborativo. Os líderes da empresa precisam dar o exemplo para demonstrar que esperam um trabalho multi-funcional em equipe e o compartilhamento de informações entre seus funcionários. Os líderes podem apoiar uma maior colaboração das seguintes maneiras:

  • Fale sobre metas compartilhadas entre equipes
  • Designe um ou dois membros da equipe para manter outra equipe informada sobre um projeto importante
  • Comunique-se regularmente e passe tempo com líderes de outras equipes
  • Reconheça e recompense os indivíduos que demonstram colaboração com outras equipes
  • Incorpore ferramentas de colaboração

Na era digital, há uma variedade de ferramentas de colaboração no local de trabalho que podem reunir equipes na nuvem, tornando mais fácil o compartilhamento de ideias e informações.

As ferramentas de colaboração digital podem ser particularmente úteis na unificação de equipes e indivíduos remotos. Alguns exemplos incluem:

  • Plataformas de gerenciamento de projetos com recursos de chat e quadro branco virtual
  • Documentos compartilhados que permitem que várias equipes acessem e colaborem em apresentações, propostas e planos de projeto
  • Ferramentas de gerenciamento de dados que incorporam dados de outras plataformas – por exemplo, um CRM que se integra aos painéis da empresa usados por várias equipes

Mude mentalidades e comportamentos com treinamento

Uma ótima maneira de ajudar os funcionários a se libertar dos silos é treiná-los para se envolverem em comportamentos que apoiem mais o trabalho em equipe e colaboração. Com a ajuda do treinamento de responsabilidade, comunicação e liderança, para citar alguns, os funcionários podem aprender mais sobre os perigos dos silos, ver os benefícios da colaboração e praticar técnicas úteis para quebrar os silos no trabalho.

Silos organizacionais impedem a inovação e o crescimento. Eles também limitam o sucesso dos indivíduos, impedindo-os de perceber os benefícios positivos do trabalho em equipe e da colaboração. Ao usar estratégias que incentivam os indivíduos a se considerarem parte de uma equipe organizacional mais ampla, uma colaboração mais multifuncional pode se tornar uma realidade.

Considerações finais sobre como as redes sociais nos afetam

“Devemos sair de nossa tendência de teorizar sobre como a mídia social nos afeta e desenvolver uma compreensão científica rigorosa de como funciona.” – Sinan Aral, MIT Sloan professor

Para evitar os excessos das influência de tais redes em nossas vidas, precisamos, em primeiro lugar, buscar conhecimentos que tragam uma maior consciência sobre como ela opera. Em seguida, está o uso moderado e equilibrado dessas ferramentas, procurando manter contato não apenas com pessoas que pensam como você, mas também com ideias divergentes. Na sequência  estão a postura e o comportamento nas redes, procurando atuar de forma construtiva, incentivando e ajudando as pessoas, evitando críticas desnecessárias, tendo o cuidado de ler e analisar as informações recebidas antes de apoiá-las ou repassá-las, principalmente se forem falsas, maldosas ou mentirosas. Enfim, contribuindo sempre que possível de forma positiva e proativa durante a utilização de tais ferramentas.

Autor

Nei Grando – diretor executivo da STRATEGIUS, é consultor e palestrante em estratégia, inovação, transformação digital, organizações exponenciais e cidades inteligentes; pesquisador em inteligência artificial; conselheiro de empresas e mentor de startups. Autor do blog neigrando.com – Mestre em ciências pela FEA-USP, graduado em TI pela UEM, com MBA em Administração pela FGV e cursos de extensão em Estratégia e Gestão do Conhecimento (FGV) e Inovação e Redes Sociais (ESPM). Teve duas empresas de software e soluções de TI, onde conduziu o desenvolvimento de portais e plataformas digitais de negócios, internet-banking, home broker, CRM, GED, GC e outros. É o organizador e um dos autores do livro “Empreendedorismo inovador”, e autor em outros três. Como professor, ministrou as disciplinas de “Strategic Thinking” e “Planejamento Estratégico” em curso MBA da FIAP, “Intelligence Driven Decision“e “Fundamentos de Inteligência Artificial” em curso MBA da ESPM e como prof. convidado, no curso “Laboratório de Startups” do CIC-ESPM.

Referências:

[1] Aral , Sinan Kayhan. The promise and peril of The Hype Machine, MIT Management Sloan School.

[2] Site Oficial NetFlix, Documentário. O Dilema das Redes.

[3] Gould, Wendy Rose. Are you in a social media bubble? Here’s how to tell.

[4] Cornett, Ian.  6 Strategies for Breaking Down Silos in Your Organization.

A Transmídia e o Metaverso

Transmídia, do inglês transmedia, significa conteúdo que se sobressai a uma mídia única. Na prática, significa que as diferentes mídias transmitirão variados conteúdos para o público de forma que os meios se complementem, pois se o público utilizar apenas um canal terá apenas a mensagem parcial do assunto em questão, já que a transmídia induz ao ato de contar histórias através de várias mídias, com um conteúdo específico para cada uma.” – Wikipedia

Introdução

De sã consciência resolvi escrever esse artigo de modo diferente. Comecei a rascunhá-lo em minha mente enquanto caminhava ouvindo uma trilha musical do Surpertramp e outra de Pink Flloyd. Ao mesmo tempo fui refletindo e preparando palavras que pudessem descrever não só o que eu pensava, mas também meus sentimentos e emoções entrelaçados. Enfim, escrevi com o coração.

Estou vivendo um estágio de vida interessante e minha caminhada me fez lembrar momentos incríveis e algumas decisões importantes que me levaram a atravessar portais para universos paralelos, ou melhor, viver transições significativas em minha vida pessoal, carreira acadêmica e profissional. Momentos estes em que munido de coragem, desejo e vontade decidi mudar radicalmente meu ambiente e conforto, e partir para algo novo e desafiador, transcendendo a mim mesmo.

Para não perder a objetividade deste post, contarei sobre a travessia destes portais e os universos paralelos que vivi em outro post.

Cheguei neste fim de semana do Gramado Summit 2022, onde encontrei e abracei amigos da Tecredi que eu só conhecia virtualmente e que me encantaram com a receptividade e consideração. Foi então que eu encontrei o quadro, cuja arte acompanha este artigo e o conteúdo que segue.

O quadro (arte) foi um presente que recebi pelas mãos do amigo Rodrigo, em maio de 2012, logo após a Convenção EraTransmidia em Paraty. No encontro, além de proferir uma palestra, fui convidado a trabalhar em conjunto com um grande grupo o modelo de negócios EraTrasmídia, que acabou se transformando em dois modelos separados, porém complementares, pois um proporcionaria valor ao outro.

Assim, mais importante que o quadro que ganhei e que de certa forma representava os dois elementos unidos e complementares, foram as palavras de agradecimento do meu amigo em nome do EraTransmídia.

Hoje, 10 anos depois, quem está agradecendo ao Rodrigo e ao grupo EraTransmídia sou eu, com este artigo dedicado a eles.

A Transmídia

No meu modo de entender, a Transmídia é algo que transcende a mídia tradicional de marketing de conteúdo, ela vai além do uso particular de cada mídia, além da multimídia e do crossmídia, pois o storytelling do conteúdo contado se adequa a cada uma das mídias utilizadas que referenciam as outras contribuindo com o todo da mensagem. Além disso, com a mídia social a transmídia tornou possível a interação com o público, gerando ainda mais valor para aquele que anuncia a mensagem, ou conta a história.

O Metaverso

“Metaverso é um ambiente digital persistente e imersivo de redes independentes, mas interconectadas, que usarão protocolos ainda a serem determinados para comunicações.” – Gartner

Ele permite conteúdo digital persistente, descentralizado, colaborativo e interoperável que se cruza com o conteúdo em tempo real, espacialmente orientado e indexado do mundo físico.”

Com criatividade as marcas podem testar seus produtos em formato digital no tal “metaverso”, inclusive fazendo vendas neste mundo virtual e se o produto fizer o devido sucesso, lançá-lo no mundo físico e fornecer desconto para quem o comprou virtualmente, por exemplo.

Indo além, pode-se contar com os novos recursos de realidade virtual e realidade aumentada, e mundos virtuais em 3D em um contexto metaverso – sendo este último um tema em destaque (hype) no momento – provocando possibilidades às marcas estarem presentes junto a seus clientes e prospects não só no mundo físico, mas também no mundo virtual.

As possibilidades do uso de transmídia com “metaverso” são tantas que vão além da minha imaginação e com certeza vale a pena às marcas começarem a conhecer melhor esses temas, essas novas mídias e as novas possibilidades de trabalhar seus conteúdos, produtos e serviços.

Falarei mais sobre Metaverso em um dos próximos artigos.

Se gostou, por favor, compartilhe! Um abraço, @neigrando

Conte comigo em seus projetos. Sobre mim: aqui. Contato: aqui.

Prepare-se para crescer com Growth Hacking

Introdução

Estamos vivendo um momento de grandes transformações e em grande velocidade. Nesse contexto está ocorrendo uma Explosão de Startups digitais. E isso faz todo o sentido, pois a essência de um negócio Startup é o seu crescimento acelerado. Este artigo é para empreendedores fundadores e outros líderes que estão trabalhando duro para fazer o seu negócio crescer.

No artigo “Marketing em Startups” expliquei porque é diferente fazer marketing em startups, e que devemos considerar duas macro fases em um negócio startup: a de aprendizagem – onde está buscando o ajuste de seu produto ao mercado e um modelo de negócio ideal, repetível e escalável; e a de execução – quando está preparada para o crescimento e escala. O conteúdo deste artigo está voltado para startups que fizeram bem a lição de casa da primeira fase e estão prontas para crescer.

Mas o que é Growth Hacking?

“Growth hacking é um conjunto de táticas e melhores práticas para lidar com o crescimento de usuários.” – Mattan Griffel

“Growth hacking é uma técnica de marketing desenvolvida pelas startups de tecnologia, que usa a criatividade, pensamento analítico e métricas sociais para vender produtos e ganhar exposição.” – Malcolm Bell

No contexto que nos referimos a palavra Hacker é utilizada para se referir a alguém que é inteligente, original, ou inventivo.

A frase “growth hacker” foi criada por Sean Ellis in 2010, quando buscava um substituto para sua própria função, e com a publicação de um artigo em seu blog com o título: “Find a Growth Hacker for Your Startup” (encontre um Hacker do Crescimento para sua Startup). Sean ajudou muitas empresas de Internet alcançarem um crescimento incrível, entre elas: Dropbox, Eventbrite, Lookout, LogMeIn (IPO), and Uproar (IPO). No Silicon Valley ele fornecia seus serviços em troca de participação (equity) nas empresas. Ele preparava sistemas, processos e até mesmo modos de pensar (mindsets) que poderiam ser mantidos após ele partir, quando então, entregava as “chaves” da sua “máquina de crescimento” para outra pessoa.

O termo “Growth Hacking” descreve um teste de dados conduzido com uma abordagem de medição para alcançar, converter e reter clientes de forma escalar.

Significa usar com criatividade métodos escaláveis e repetíveis que objetivam aperfeiçoar cada ponto de contato digital, a fim de conduzir os clientes em potencial para decisão e ação.

O termo não descreve um método específico, mas uma filosofia, uma abordagem no cruzamento das táticas de marketing e desenvolvimento de produtos, inspirados por análises e dados – constantemente testando, medindo e aperfeiçoando.

Veja que não se trata apenas de um chavão da moda ou de outra forma de se falar de marketing. Hackers de crescimento são muitas vezes um híbrido de especialistas em marketing e programação, onde somam conhecimentos de psicologia comportamental com atividades que utilizam métodos científicos e são centradas em APIs (interfaces de programas de aplicação). Para o Hacker de Crescimento, toda estratégia, tática e iniciativa é uma tentativa cuja esperança de resultado é o crescimento. O processo de trabalho utilizado é similar aos utilizados em design thinking e lean startup, pois o ciclo inclui geração de ideias, experimentação, implementação e análise dos dados resultantes com aprendizagem.

O conceito de produto mudou, pois durante centenas de anos produtos eram apenas mercadorias físicas – como bicicletas, sabonetes, armários, sofás, mas agora temos bits e bytes invisíveis na forma de produtos de software – como um e-book – que pode ser baixado, ou uma música ou filme – que pode ser recebido em tempo real (streaming), via internet. Além de produtos digitais, agora também temos novos tipos de canais de distribuição para produtos e serviços, como sites de comércio eletrônico, lojas de aplicativos, etc., conforme expliquei no artigo “A relação de Produtos com Canais nos novos modelos de negócio“. E tudo isto requer novas formas mais ágeis e econômicas de divulgar tais produtos e serviços e conquistar usuários e clientes.

Growth Hackers usam soluções de base tecnológica tais como software, bases de dados, APIs e ferramentas relacionadas para para alcançar seus objetivos e fazer crescer uma startup. Um Growth Hacker não precisa ser um programador, mas tem que entender profundamente de tecnologia e o suficiente sobre programação para coordenar outras pessoas que escrevem código e assim aumentar as chances de obter ótimos resultados.

“Um hacker do crescimento é alguém que jogou fora a cartilha do marketing tradicional e substituiu-a com apenas o que é testável, rastreável e escalável. Suas ferramentas são e-mails, anúncios pagos por click, blogs e APIs de plataformas, em vez dos comerciais, publicidade e dinheiro. Enquanto seus irmãos de marketing perseguem noções vagas como ‘marca’ e ‘mind share’, hackers de crescimento perseguem sem cessar usuários e crescimento e fazem isso direito, esses usuários geram mais usuários, que geram mais usuários. Eles são inventores, operadores e mecânicos de sua própria máquina auto-sustentável e auto-propagável de crescimento que pode tomar uma start-up de nada a alguma coisa.” – Ryan Holiday

O uso de Growth Hacking é uma tendência interessante que nos dá vislumbres do futuro das empresas na internet. Tem havido uma barreira entre a equipe de desenvolvimento do produto e os responsáveis por adquirir os usuários para o produto. Os codificadores constroem o que os marqueteiros e vendedores empurram é algo que funcionou por um bom tempo, mas agora, os responsáveis pelo crescimento estão tendo que aprender o que são APIs, e os responsáveis da programação estão tendo que pensar sobre a experiência do cliente com o produto.

Um exemplo clássico – o caso Hotmail, um dos primeiros produtos que se tornou viral

Em 1996, os colegas de trabalho Sabeer Bhatia e Jack Smith planejavam começar a JavaSoft, mas eles não queriam que o gerente deles pudesse ler seus e-mails. Isso os levou a construírem um sistema de e-mail baseado na Web, e assim nasceu o Hotmail. Conseguiram levantar 300 mil dólares de investidores, mas o lançamento foi inexpressivo. A princípio a estratégia de crescimento era comprar outdoors e anúncios de rádio, mas foi então que o investidor Timothy Draper teve uma idéia melhor e sugeriu: Coloque de forma automática a frase “PS: Eu te amo. Obtenha seu e-mail gratuito no Hotmail” ao final de cada e-mail que o usuário enviar. Isso feito mudou tudo, poucas horas depois o crescimento do Hotmail tomou a forma de uma curva de taco de hóquei clássico. Eles obtiveram uma média de 3.000 novos usuários por dia e dentro de seis meses atingiram um milhão de usuários. Cinco semanas depois estavam com a marca de 2 milhões de usuários. Num dos casos, Bhatia enviou um e-mail para um amigo na Índia, e com isso, dentro de 3 semanas o Hotmail obteve 300.000 usuários por lá. Enfim, apenas um ano e meio após o lançamento, quando venderam o produto para a Microsoft, o Hotmail tinha atingido 12 milhões de usuários. Neste caso, uma ideia (insight) de uma mensagem especial automática adaptada ao produto, naquela época, fez toda a diferença. Outra vantagem foi poder ter o processo rastreado e com possibilidade de ser ajustado facilmente.

Atraindo o público alvo

É importante lembrar que, na maioria dos casos, nem todo mundo é potencial cliente, assim usar estratégias e técnicas de crescimento não significa dar tiro para todo lado. A divulgação do produto, que contribui para a construção da marca, deve ser feita com planejamento que inclui o entendimento do mercado, os segmentos de cliente e/ou usuário potenciais, perfis, características e necessidades.

Outro exemplo bem conhecido – o caso Dropbox

Antes de buscar alavancar o motor de crescimento, é preciso ter certeza do valor do produto para o mercado, ter as hipóteses do modelo de negócios validadas e testadas junto aos usuários iniciais. Veja o caso Dropbox – um serviço de compartilhamento de arquivos que atualmente tem milhões de usuários, mas que quando começou nem mesmo era aberto ao público. Novos usuários precisavam se inscrever em uma lista de espera para serem convidados a participar. Num esforço para conduzir as inscrições, os fundadores criaram um vídeo de demonstração que conduzia os potenciais usuários através do funcionamento do serviço.

Observe que eles não contrataram nenhuma empresa para produzir um vídeo caro ou elaborado para empurrar goela abaixo das pessoas através de anúncios. Eles mesmos fizeram o vídeo certo e o colocaram nos lugares certos, pois escolheram um nicho inicial de usuários entusiastas e visionários, no caso geeks (apaixonados por tecnologia).

Como resultado, este vídeo caseiro atingiu centenas de milhares de novos usuários potenciais que visitaram a página especial (Landing Page) que a Dropbox criou para inscrição (GetDropbox.com), e a lista de espera passou de 5.000 usuários para 75.000 usuários em uma noite. Tudo rastreável, visível e altamente eficaz.

Era isso que a Dropbox queria, atingir uma quantidade expressiva de potenciais usuários altamente segmentados e direcioná-los para o site. E com o produto certo, para o público certo, obteve usuários satisfeitos, que ao indicarem amigos ganhavam mais espaço para armazenamento de seus arquivos. Dentro de apenas um curto período de tempo, essas 75 mil usuários iniciais tornou-se quase quatro milhões, que por sua vez, cresceu para mais de 100 milhões de pessoas. Uma estratégia de lançamento similar foi usada poucos anos depois pelo App de e-mail Mailbox.

Além desses temos muitos outros casos conhecidos que usaram técnicas de Growth Hacking e viralização como Whatsup, Instagram, Pinterest e Waze.

O Funil do Marketing Digital

Podemos ver esse funil como um processo que ilustra a jornada de compras feita por um cliente. E para isso, o mais importante é saber como evoluir de um estado ao outro, ou seja, como otimizar a conversão de visitante em cliente.

Funil-AARRR Ciclo de conversão do Cliente

O Funil do Marketing Digital: Ativação, Aquisição, Retenção, Referência e Receita.

Veja o ciclo de conversão do cliente, sugerido por Dave McClure “Product Marketing for Pirates: AARRR”, onde as métricas consideram:

  • Aquisição – de onde, de que canais os usuários vêm? – O usuário visitou o “site”, a partir de link patrocinado, rede social, blog, etc. Conhecimento de técnicas SEO (Search Engine Optimization) que procuram destacar o site nos resultados de sites de busca, técnicas de viralização, outras formas de publicidade, parcerias e uso de acessória de imprensa também devem ser pensadas nesta etapa. Em alguns casos, uma atenção especial/diferenciada é necessária à primeira visita (Landing Page) – que conduz o internauta para a ativação.
  • Ativação – que % de clientes têm uma experiência inicial “feliz”? – Aqui avalia-se o resultado da chamada para ação (call-to-action). Indica se usuário demonstrou gostar do produto/serviço, entrou em contato, cadastrou-se, passou a usar versão de avaliação (gratuita ou de demonstração), etc.
  • Retenção – eles voltam e revisitam o “site” ao longo do tempo? – Voltou para ver novidades, módulos adicionais, versão avançada (premium) …
  • Referência – eles gostam o suficiente para indicar aos seus amigos? – Indicou via e-mail; comentou em blog, rede social Twitter, Facebook, ou outra; usou agregadores como Digg, Delicious; etc.
  • Receita – você consegue ganhar dinheiro com qualquer desses comportamentos? – Estão comprando e pagando.

Ferramentas para trabalhar o processo de crescimento e o funil

Para ajudar no processo de crescimento existem muitas técnicas e ferramentas conhecidas, inclusive ferramentas que ajudam a medir e acompanhar o funil descrito, como Google Analitycs e outras que sugeri nos links Ferramentas abaixo, mas é a criatividade, obtida com imaginação, conhecimento e atitude que fará toda a diferença.

Growth Hacking é fazer marketing de inovação de forma enxuta e ágil.”@neigrando

Sobre mim: aqui, Contato: aqui.

Se gostou, por favor, compartilhe! Abraço, @neigrando

Este artigo eu publiquei originalmente no LinkedIn com o título “Growth Hacking – Para startups em fase de crescimento“.

Outros artigos:

Ferramentas: