Contratos Inteligentes: os capacitadores de Processos de Negócios para BLOCKCHAIN

A tecnologia tem o risco de ser mal interpretada pelo público em geral, pois alguns a apresentam como a solução para todos os problemas. Assim, procurando desmistificar o hype comum em torno do blockchain, podemos simplesmente afirmar que é um banco de dados (similar a um livro-razão) criptográfico ou codificado de transações na forma de blocos organizados em uma cadeia.

Nosso foco neste artigo não é explorar como funciona o blockchain, mas sim nos aprofundar em como ele pode ser adotado no modelo de negócios da empresa para aproveitar os muitos benefícios que esta tecnologia interessante tem a oferecer.

Como uma empresa é uma configuração complexa, ela envolve processos para conectar pessoas e seu uso de informações para vários fins do dia-a-dia. Um processo é um procedimento formal usado para cumprir uma ação ou transação específica. Às vezes, os processos podem precisar apenas de coordenação com pessoas dentro da organização e, em outras ocasiões, esses processos podem exigir colaboração e parceria com outras organizações para vários objetivos de negócios.

Este “Processo de Negócio”, como é comumente denominado em um ambiente organizacional, pode ser um pedido, uma fatura ou um pagamento – todas as transações que envolvem pessoas e dados. E o blockchain pode ajudar as organizações a proteger todas essas transações.

Mas, as transações podem ser protegidas usando um banco de dados? Não, elas não podem!

É preciso haver uma camada de “lógica”, mais precisamente lógica de negócios, para mesclar esses dados com as ações que as pessoas podem realizar ao usá-los. E os contratos inteligentes (smart sontracts) são essa camada de lógica de negócios, que permite que o blockchain dê suporte ao cumprimento de um processo de negócios.

Resumindo, Contratos Inteligentes gerenciam as transações de maneira pré-programada e automatizada.

A lógica comum usada para completar uma transação é ‘Se-isso-então-aquilo’ ou ‘depois-disso-então-aquilo’. Portanto, é uma orquestração lógica entre assuntos (ou coisas) envolvidos na transação.

Você pode definir os termos, os eventos e a assinatura necessária para cumprir o processo. Se o produto não for tangível, você pode escolher Digital Rights Management (DRM) para gerenciar o acesso ou controlar os direitos sobre os ativos digitais no contrato inteligente.

Os Contratos Inteligentes são executados de forma automatizada e não precisam de intervenção humana ou trilhas em papel. Eles são descentralizados e, ao mesmo tempo, protegidos.

Eles podem ser divididos em duas categorias amplas: Contratos jurídicos inteligentes e baseados em códigos.

Os Contratos Inteligentes Baseados em Código, que são baseados em aplicativos, podem ser divididos em três subtipos – DAO (Organizações Autônomas Descentralizadas), DApps (Aplicativos Distribuídos) e contratos combinados de IoT.

Os Smart Legal Contracts combinam um modelo jurídico com uma lógica de negócios e visam digitalizar contratos jurídicos.

As subcategorias Code-Based Smart Contracts – DAO, DApps e IoT – combinados – são para gerenciar processos de negócios dentro ou entre associações.

DAO (Organização Autônoma Descentralizada)

O DAO visa codificar as regras de uma organização em um programa de computador para obter transparência. Uma vez que tal organização é controlada por acionistas e não é influenciada por um governo central, os registros de transações são facilitados usando o sistema Contratos Inteligentes .

DApps (aplicativos distribuídos ou descentralizados)

Esses aplicativos de software são disponíveis em um ambiente P2P e não são hospedados em um servidor central. Eles usam blockchain para armazenar dados e, como tal, o programa é projetado de uma forma que não é controlado por nenhuma entidade única. Os Contratos Inteligentes precisam de uma rede para funcionar e os DApps integrar seu uso de maneira eficiente.

Contratos combinados de IoT

Os Contratos Inteligentes combinados de IoT permitem transações comerciais por meio de produtos habilitados para IoT e são usados ​​para controlar e gerenciar interações entre vários dispositivos, atendendo à necessidade de monetização ou segurança para a Internet das Coisas.

Referências

Observação: Este artigo trata-se de uma versão traduzida e adaptada do artigo original:

  • Smart Contracts: The Business Process Enablers for Blockchain, by Antonio Grasso

Para ir um pouco mais a fundo, recomento estes dois livros de negócios

O primeiro para que deseja conhecer mais da filosofia e visão do blockchain, sem precisar entrar em detalhes técnicos:

  • Blockchain Revolution: How the Technology behind Bitcoin and other Cryptocurrencies is Changing the World, by Don Tapscott and Alex Tapscott

Este outro livro de negócios, tem um foco maior na Economia de Tokens:

  • Token Economy: How blockchain and Smart Contracts Revolutions the Economy, by Shermin Voshmgir

E este é para quem quer conhecer a parte técnica do blockchain:

  • Mastering Blockchain: Distributed ledger technology, descentralization and smart contracts explained, by Imran Bashir

Outro artigo sobre Processos de Negócios:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s