O papel da Inteligência Artificial no Metaverso

Ainda pode ser difícil criar máquinas com aparência humana que dominarão o mundo real. No entanto, em um mundo onde tudo é digital, não será difícil criar agentes auto-replicantes inteligentes que possam enviar e aprender com seu ambiente e evoluir para assumir seu ambiente. O metaverso fornecerá exatamente isso.

Décadas atrás, O Poderoso Chefão da IA, Marvin Minsky, introduziu o conceito da sociedade da mente, onde nossos processos cognitivos e arquitetura cognitiva não estão confinados a um lugar específico e não são processos isolados; são os comportamentos coletivos de muitos conceitos sutilmente arraigados de que nossas mentes são capazes. Obviamente, a inteligência, quando poluída com traços negativos como ganância, avareza e vingança, pode se tornar uma maldição para a humanidade.

Embora este não seja um conceito novo no domínio da IA, ele assume grande importância, uma vez que nossos cérebros são redes massivamente complexas de centenas de bilhões de neurônios que estão em constante comunicação uns com os outros. É o que ajuda os humanos a entender o que está acontecendo. Os neurônios começam a desencadear e responder a uma infinidade de reações em ritmo acelerado, estabelecendo padrões dentro do cérebro que posteriormente decidem o curso das ações a serem executadas por nossa mente e corpo em perfeito uníssono. Historicamente, os especialistas em IA tentaram replicar esse processo usando redes neurais artificiais (ANNs), mas isso é um mero truque baseado em software para simular o cérebro humano.

Mudanças e possibilidades

Agora tudo está mudando rapidamente à medida que o design do hardware está começando a fazer a transição, com o avanço da computação neuromórfica na qual as arquiteturas tradicionais de semicondutores estão sendo interrompidas e reprojetadas para imitar a estrutura do cérebro humano, onde o processamento e a memória estão sendo combinados em uma unidade, a estrutura neural que Marvin Minsky criou e muitas outras estruturas estão lentamente se tornando realidade do ponto de vista do hardware. Isso, por sua vez, já está tornando a IA mais rápida, melhor e mais geral. Isso é incrivelmente empolgante porque, se usado corretamente, produzirá aplicativos que são incrivelmente inteligentes e podem eventualmente substituir a inteligência geral em nível humano.

Isso é particularmente relevante para o metaverso, que não será apenas um lugar onde humanos usando avatares estão interagindo com outros humanos usando avatares em um espaço 3D virtual, mas será potencialmente o primeiro lugar e a chance onde agentes artificialmente inteligentes podem finalmente exibir um comportamento quase humano, sem as limitações físicas de construir um robô humanóide “real” no mundo real. Com os avanços na IA, e especificamente na computação neuromórfica, que está acelerando a abordagem da inteligência artificial geral (AGI), podemos testemunhar um metaverso em que uma IA é indistinguível de um humano!

A IA suprindo o Metaverso

A inteligência artificial é um dos pilares sobre os quais o metaverso está sendo construído. Começando com o processamento de dados gerados pelo usuário, continuando com modelos generativos de IA que criam ambientes virtuais fotorrealistas e avatares que se assemelham aos usuários, além da capacidade de reconhecer movimentos corporais e, assim, tornar a experiência do metaverso mais natural.

Mas a IA também dará nova vida aos personagens digitais que povoam os mundos virtuais, como personagens não humanos e assistentes pessoais, e permitirá que todos se entendam em seu próprio idioma traduzindo a fala simultaneamente.

Mas o que é Metaverso?

Podemos considerar o metaverso como uma série de ambientes digitais com vários níveis de imersão – desde um simples navegador ou smartphone, até ambientes de realidade totalmente virtual – permitindo a interação entre muitos usuários. O metaverso, no entanto é mais que um videogame multiusuário, pois assume um papel tão importante e envolvente para representar uma peça totalmente nova da existência humana ou, se preferir, uma camada digital que se sobrepõe e se interconecta com o físico.

Um dos elementos fundamentais desse novo ambiente serão as interações que teremos com outros usuários, o que nos levará a investir recursos – tempo, sim, mas também recursos financeiros – para melhorar nosso status e nossa experiência no mundo digital. Compraremos bens e serviços digitais, talvez na forma de NFTs, de empresas e outros usuários, alimentando uma economia paralela, mas interligada.

Poderemos assumir outras identidades além da física, que em alguns casos pode ser mais gratificante e envolvente do que a que já temos: pense no personagem de William Dafoe no filme eXistenZ, de 1999, que era um frentista no mundo da vida real, mas uma divindade na realidade digital. Na verdade, isso é algo que já vem acontecendo há anos com os MMORPGs, Massively Multiplayer Online Role-Playing Games, onde milhões de pessoas trocam suas roupas cotidianas para se tornarem magos, guerreiros, elfos, e onde muitos gastam uma fortuna comprando bens digitais e serviços que são úteis apenas para o jogo.

Casos de uso de IA para o metaverso

A inteligência artificial dará suporte fundamental ao metaverso, simplificando o acesso das pessoas aos ambientes digitais, além de auxiliar na geração de conteúdo e na interação entre humanos e mundos virtuais. Segue alguns dos casos de uso mais importantes.

Segurando tudo junto

Para o metaverso existir, servidores e sistemas de rede precisam estar funcionando. Como as empresas que hospedam MMORPGs (como World of Warcraft ou Elder Scrolls Online) estão bem cientes, executar uma infraestrutura que pode hospedar simultaneamente mais de meio milhão de usuários todos os dias requer esforços titânicos em termos de recursos computacionais.

É precisamente por isso que a Meta revelou recentemente o AI Research SuperCluster (RSC), um dos supercomputadores de IA mais poderosos do mundo. Conforme afirma a empresa, uma das tarefas do supercomputador será cuidar do metaverso, ou seja, manter os mundos digitais em funcionamento e hospedar as atividades de milhões de usuários, mesmo simultaneamente, sem lentidão ou problemas de recursos.

A inteligência artificial também será usada para escanear e processar em tempo real a enorme quantidade de dados produzidos a cada segundo pelas atividades dos usuários no metaverso da empresa, para viabilizar outros casos de uso.

Criando ambientes virtuais

Um mundo digital requer a presença de lugares digitais, como em quartos ou vilas ou colinas gramadas, para permitir que quem os ocupa naquele momento se movimente, interaja com o ambiente e realize as diversas atividades permitidas por aquele determinado lugar, seja ele seja uma sala de reuniões imersa em uma paisagem montanhosa, um cometa no espaço mais profundo ou uma reprodução de Minas Tirith. Mas enquanto no passado para a construção desses ambientes digitais tivemos que agradecer a equipes de desenvolvedores que criaram semi-manualmente cada peça, desde as colinas até o mar, colocando árvores ou móveis arrastando-os com o mouse, sem mencionar a criação se os pisos e objetos tiveram a colisão certa (quem não caiu pelo mundo por causa de uma colisão perdida em um ponto do mapa), amanhã será um modelo generativo de IA que criará tudo isso, com pouca intervenção humana.

Será capaz de criar ambientes que realmente existem no mundo físico, gerando com realismo impressionante a cena 3D a partir de fotografias, permitindo assim recriar com precisão qualquer lugar existente no mundo, do Coliseu aos jardins da Alhambra em Granada, para a varanda da nossa casa de praia.

A IA também será capaz de gerar lugares completamente inventados. Pode começar com algumas entradas de um desenvolvedor, mas então o aprendizado por reforço assumirá o controle e os algoritmos projetarão mais lugares que são cada vez mais confortáveis ​​​​ou agradáveis ​​​​para usuários humanos. A IA poderia analisar quais ambientes parecemos gostar mais, ou relaxar mais, extraindo suas características e continuar experimentando criando lugares ainda mais divertidos ou ainda mais relaxantes. Refinando a técnica a cada iteração até que as áreas perfeitas sejam criadas para nossas exigentes necessidades humanas.

Permitindo a você fazer seu próprio avatar

Embora no metaverso potencialmente ninguém saiba quem você é, haverá situações – como reuniões de negócios hospedadas no metaverso – em que se disfarçar atrás de um apelido e uma máscara de Salvador Dali pode não ser um comportamento comumente aceito. Nesses ambientes será necessário, e útil, estar presente não apenas com o nome real, mas também com um avatar que se pareça o máximo possível conosco. A inteligência artificial também pode ajudar aqui, com modelos que analisam nossas fotos e recriam um avatar 3D à nossa imagem e semelhança.

Mapeando os movimentos do corpo

Se você já passou algum tempo em Realidade Virtual (RV), sabe que as interfaces atuais não são as melhores. Isso perde o objetivo de manter as pessoas no metaverso pelo maior tempo possível ou fazer com que elas façam login com a maior frequência possível. Portanto, um objetivo é tornar as interações de RV mais naturais, permitindo que as pessoas realizem tarefas tão facilmente quanto pegar um objeto ou acenar com a mão. Para isso, a inteligência artificial verá os movimentos do nosso corpo, capturando-os através de sensores de diferentes tipos, transformando-os em ordens ou movimentos do avatar.

Levantar a mão para cumprimentar alguém deve ser tão simples quanto no mundo físico, sem segurar nenhum controle na mão, e abrir ou fechar um painel virtual deve ser fácil e imediato, com a IA interpretando corretamente todos os seus movimentos.

Mas o reconhecimento não para por aí. A IA também poderá copiar nossas expressões faciais no avatar, para que nosso sorriso também seja o sorriso do avatar, transferindo cada vez mais expressões – franzir a testa, bocejar, surpresa, piscar etc. – para nosso gêmeo digital, para fazer nossa transposição do mundo físico para o digital é o mais realista possível.

Dando vida aos habitantes digitais do metaverso

Em um mundo digital, precisamos de pessoas digitais. Como já sabemos, a inteligência artificial agora é capaz de realizar discussões, interpretar corretamente as entradas e produzir saídas adequadamente correlacionadas, dando a impressão de entender o que está sendo dito e poder responder. Essa capacidade, alcançada por meio de grandes modelos de linguagem, dos quais o GPT-3 é um exemplo entre muitos, pode ser incorporada aos diversos agentes digitais que povoarão o metaverso para produzir assistentes ou acompanhantes virtuais altamente realistas.

Nos jogos online, esses agentes são chamados de NPCs (Non-Playing Characters), ou seja, elementos que geralmente são graficamente semelhantes aos avatares dos usuários, mas estão lá apenas para realizar algumas tarefas simples, como iniciar uma missão, distribuir recompensas, fornecer informações ou fazer algo por razões estéticas (por exemplo, passear). Ao longo dos anos, alguns jogos fizeram com que esses agentes digitais assumissem tarefas um pouco mais complexas, como seguir o jogador em aventuras e lutar ao lado dele. Mesmo assim, esses ‘companheiros’ não mostram grandes sinais de inteligência.

No metaverso, graças à IA, esses NPCs ou assistentes pessoais assumirão um disfarce completamente novo, realizando ações “inteligentes” e tarefas muito mais complexas. Imagine um assistente digital ajudando usuários iniciantes a se movimentar e explorar o metaverso, reconhecendo seus erros e sugerindo maneiras de corrigi-los. Ou imagine uma secretária digital recebendo mensagens enquanto estamos em uma reunião no metaverso, notificando-as apenas quando a reunião terminar.

Como acontece com vários aplicativos de smartphone, vamos imaginar uma área do metaverso onde os personagens virtuais estão lá como amigos ou até companheiros, com quem conversar, contar nossos problemas ou com quem entreter uma ‘amizade romântica‘. Não vamos nos surpreender com isso: a capacidade da IA ​​de criar representações humanas fotorrealistas, juntamente com a capacidade de entreter conversas de profundidade particular, tornará o romance digital um “prazer culpado” mais difundido em um futuro não tão distante. O metaverso também pode hospedar isso.

Facilitando as traduções simultâneas

A tradução em tempo real é um dos casos de uso que dedicará parte de seu supercomputador especificamente para essa atividade. A ideia aqui é permitir que grupos de pessoas de diferentes países, cada um falando um idioma diferente, falem e se entendam em tempo real. Para isso, o modelo de inteligência artificial precisará primeiro reconhecer o idioma falado por um usuário, interpretar cada palavra e reconhecer o significado, traduzi-lo corretamente para o idioma falado pelo outro interlocutor e gerar o texto traduzido em formato de áudio, talvez com a mesma voz do primeiro interlocutor (um deepfake de áudio precisaria ser usado para simular a voz).

Tudo isso já é possível em teoria. Na prática, requer recursos massivos, especialmente se você quiser fazê-lo em tempo quase real e na escala que o metaverso exige. Mas a Meta já direciona recursos para lá há algum tempo. Em 2019 lançou o Wav2vec, para reconhecer estruturas de fala diretamente do áudio bruto sem a necessidade de texto transcrito. Em maio de 2021, demonstrou que o aprendizado de máquina não supervisionado poderia reconhecer a fala melhor do que outros métodos, enquanto em novembro do mesmo ano seu modelo de tradução multilíngue superou outros modelos bilíngues em uma competição de tradução automática.

Agora sabemos que todos esses esforços de pesquisa, que começaram anos atrás, tinham como objetivo encontrar uma maneira de pessoas de diferentes países falarem juntas em suas línguas nativas, e que melhor caso de uso do que o metaverso para colocar esse projeto em prática.

Provendo algoritmos que aumentam o engajamento e a presença

Mesmo no metaverso, métricas como engajamento, tempo de atividade, frequência de login e assim por diante serão cruciais para empresas que hospedam ambientes e conteúdos digitais. Assim como todas as redes sociais hoje estão pressionando para nos manter o maior tempo possível em seus sistemas, o metaverso também apresentará algoritmos de recomendação e seleção de conteúdo que farão tudo ao seu alcance para nos mostrar o que mais nos interessa.

Esta é uma situação muito familiar: quando estamos entediados já entramos nas redes sociais para ver o que está acontecendo, para ler algo novo, para conversar com nossos contatos ou – mais frequentemente – porque alguma notificação nos incitou a fazê-lo. E quando abrimos o aplicativo ou o site, vários algoritmos estão em ação para nos impedir de nos desconectarmos muito rapidamente.

O mesmo se aplicará ao metaverso, apenas intensificado pelo fato de entrarmos em um ambiente imersivo, onde os algoritmos se beneficiarão de um maior grau de atenção de nós, pois alguns de nossos sentidos mais importantes (visão, audição e até tato) serão ser totalmente abandonado à experiência imersiva. Os modelos de IA serão capazes de cercar nossos sentidos, provocar nosso interesse e, finalmente, capturar nossa atenção com muito mais eficácia do que uma simples tela de smartphone.

Se você passa algum tempo em realidade virtual, pode estar acostumado ao fato de que uma hora parece passar mais rapidamente, não fosse pelos dispositivos de RV de hoje que ainda são muito volumosos e pesados ​​no rosto. Quando for fisicamente mais fácil mergulhar no metaverso, e quando os desajeitados sistemas que regulam os conteúdos forem mais sofisticados e inteligentes, desengajar-se dessa nova existência digital certamente se tornará mais difícil. A IA, infelizmente, será mais uma arma que as empresas usarão para nos convencer a nos mantermos conectados o máximo possível. Para piorar, já se acredita que o metaverso será um lugar cheio de marketing e manipulação.

Moderando e identificando comportamento prejudicial

Como já relatado em algumas notícias, o metaverso não está livre de problemas tipicamente humanos, como assédio ou bullying. Esses são desafios que todas as plataformas precisam enfrentar, pois não querem que seu projeto grandioso seja arruinado pelo assediador ao lado.

A inteligência artificial já ajuda os moderadores humanos a interceptar e examinar comportamentos suspeitos; no metaverso, esses controles só aumentarão. Não esqueçamos que na realidade virtual cada movimento do nosso avatar pode ser facilmente registrado e documentado, assim como cada palavra que dizemos ou ouvimos. À medida que a imersão e a sofisticação dos dispositivos aumentam – pense nos rastreadores corporais aos quais nos referimos anteriormente – os pontos de dados que podem ser interceptados e analisados ​​pela IA só aumentarão.

Com essa quantidade de informações, não seria impossível criar modelos que calculassem a probabilidade de que o assédio esteja acontecendo (ou esteja prestes a acontecer). Se houvesse dados suficientes, bastaria analisar todos os comportamentos ocorridos antes, durante e após as denúncias de assédio para criar um modelo que pudesse reconhecê-los ou predizê-los com boa precisão.

Um sistema, hipotético no momento, que seria potencialmente muito útil para permitir que todos usufruíssem de uma experiência digital sem perturbações ou ofensas, mas que também levanta várias questões, como o grau de intrusão que estamos dispostos a permitir nas nossas interações digitais privadas.

Considerações Finais

O metaverso veio para ficar, está apenas nascendo e tem muito a ser feito para o melhor aproveitamento de todos, seja pelas empresas que estão envolvidas nos projetos, seja pelas marcas estão divulgando e vendendo produtos e serviços nesse novo canal de mídia digital, seja com os usuários aprendendo, jogando, se divertindo e até mesmo trabalhando nesse novo ambiente. E a inteligência artificial é um pilar fundamental para sustentação de tudo isso, somado à segurança digital e outras tecnologias.

Referências

Observação: a maioria do texto deste artigo, trata-se de uma tradução e adaptação destes posts:

  • How will AI power the metaverse?, by Luca Sambucci – Feb., 2022 (Artificial Intelligence News)
  • Will artificial intelligence dominate the metaverse?, by Jun, 2021 (LinkedIn)
  • Artificial Intelligence in the Metaverse: Bridging the Virtual and Real, dez/2021 (XR Today)

Artigos relacionados

A Transmídia e o Metaverso

Transmídia, do inglês transmedia, significa conteúdo que se sobressai a uma mídia única. Na prática, significa que as diferentes mídias transmitirão variados conteúdos para o público de forma que os meios se complementem, pois se o público utilizar apenas um canal terá apenas a mensagem parcial do assunto em questão, já que a transmídia induz ao ato de contar histórias através de várias mídias, com um conteúdo específico para cada uma.” – Wikipedia

Introdução

De sã consciência resolvi escrever esse artigo de modo diferente. Comecei a rascunhá-lo em minha mente enquanto caminhava ouvindo uma trilha musical do Surpertramp e outra de Pink Flloyd. Ao mesmo tempo fui refletindo e preparando palavras que pudessem descrever não só o que eu pensava, mas também meus sentimentos e emoções entrelaçados. Enfim, escrevi com o coração.

Estou vivendo um estágio de vida interessante e minha caminhada me fez lembrar momentos incríveis e algumas decisões importantes que me levaram a atravessar portais para universos paralelos, ou melhor, viver transições significativas em minha vida pessoal, carreira acadêmica e profissional. Momentos estes em que munido de coragem, desejo e vontade decidi mudar radicalmente meu ambiente e conforto, e partir para algo novo e desafiador, transcendendo a mim mesmo.

Para não perder a objetividade deste post, contarei sobre a travessia destes portais e os universos paralelos que vivi em outro post.

Cheguei neste fim de semana do Gramado Summit 2022, onde encontrei e abracei amigos da Tecredi que eu só conhecia virtualmente e que me encantaram com a receptividade e consideração. Foi então que eu encontrei o quadro, cuja arte acompanha este artigo e o conteúdo que segue.

O quadro (arte) foi um presente que recebi pelas mãos do amigo Rodrigo, em maio de 2012, logo após a Convenção EraTransmidia em Paraty. No encontro, além de proferir uma palestra, fui convidado a trabalhar em conjunto com um grande grupo o modelo de negócios EraTrasmídia, que acabou se transformando em dois modelos separados, porém complementares, pois um proporcionaria valor ao outro.

Assim, mais importante que o quadro que ganhei e que de certa forma representava os dois elementos unidos e complementares, foram as palavras de agradecimento do meu amigo em nome do EraTransmídia.

Hoje, 10 anos depois, quem está agradecendo ao Rodrigo e ao grupo EraTransmídia sou eu, com este artigo dedicado a eles.

A Transmídia

No meu modo de entender, a Transmídia é algo que transcende a mídia tradicional de marketing de conteúdo, ela vai além do uso particular de cada mídia, além da multimídia e do crossmídia, pois o storytelling do conteúdo contado se adequa a cada uma das mídias utilizadas que referenciam as outras contribuindo com o todo da mensagem. Além disso, com a mídia social a transmídia tornou possível a interação com o público, gerando ainda mais valor para aquele que anuncia a mensagem, ou conta a história.

O Metaverso

“Metaverso é um ambiente digital persistente e imersivo de redes independentes, mas interconectadas, que usarão protocolos ainda a serem determinados para comunicações.” – Gartner

Ele permite conteúdo digital persistente, descentralizado, colaborativo e interoperável que se cruza com o conteúdo em tempo real, espacialmente orientado e indexado do mundo físico.”

Com criatividade as marcas podem testar seus produtos em formato digital no tal “metaverso”, inclusive fazendo vendas neste mundo virtual e se o produto fizer o devido sucesso, lançá-lo no mundo físico e fornecer desconto para quem o comprou virtualmente, por exemplo.

Indo além, pode-se contar com os novos recursos de realidade virtual e realidade aumentada, e mundos virtuais em 3D em um contexto metaverso – sendo este último um tema em destaque (hype) no momento – provocando possibilidades às marcas estarem presentes junto a seus clientes e prospects não só no mundo físico, mas também no mundo virtual.

As possibilidades do uso de transmídia com “metaverso” são tantas que vão além da minha imaginação e com certeza vale a pena às marcas começarem a conhecer melhor esses temas, essas novas mídias e as novas possibilidades de trabalhar seus conteúdos, produtos e serviços.

Falarei mais sobre Metaverso em um dos próximos artigos.

Se gostou, por favor, compartilhe! Um abraço, @neigrando

Conte comigo em seus projetos. Sobre mim: aqui. Contato: aqui.